O olho humano pode perceber milhões de cores. Mas nem todos reconhecemos essas cores da mesma maneira. Algumas pessoas não conseguem ver diferenças nas cores – o chamado daltonismo – devido a um defeito ou ausência das células da retina que são sensíveis a altos níveis de luz.

Além de biologia individual, a percepção de cores é menos sobre ver o que realmente está por aí e mais sobre como nosso cérebro interpreta as cores para criar algo significativo. A percepção da cor ocorre principalmente dentro de nossas cabeças e, portanto, é subjetiva – e propensa à experiência pessoal.

Desde o dia em que nascemos, aprendemos a categorizar objetos, cores, emoções e praticamente tudo o que é significativo usando a linguagem. E embora nossos olhos possam perceber milhares de cores, a maneira como nos comunicamos sobre cor – e a forma como usamos a cor em nossas vidas cotidianas – significa que temos que dividir essa enorme variedade em categorias identificáveis ​​e significativas.

Diferentes linguagens e grupos culturais também dividem o espectro de cores de maneira diferente. Algumas línguas como o Dani, falado na Papua Nova Guiné, e o Bassa, falado na Libéria e na Serra Leoa, têm apenas dois termos, escuro e claro. O escuro traduz, grosseiramente, como legal nessas línguas e claro como quente. Portanto, cores como preto, azul e verde são apresentadas como cores frias, enquanto cores mais claras, como branco, vermelho, laranja e amarelo, são apresentadas com cores quentes.

O povo Warlpiri que vive no Território do Norte da Austrália nem sequer tem um termo para a palavra “cor”. Para esses e outros grupos culturais, o que chamaríamos de “cor” é descrito por um vocabulário rico que se refere à textura, sensação física e propósito funcional.

Cinco cores principais

Notavelmente, a maioria dos idiomas do mundo tem cinco termos básicos de cores. Culturas tão diversas como a Himba nas planícies da Namíbia e a Berinmo nas exuberantes florestas tropicais de  Nova Guiné empregam esses cinco sistemas de termos. Além de escuro, claro e vermelho, essas linguagens geralmente têm um termo para amarelo e um termo que indica tanto azul quanto verde. Ou seja, essas linguagens não têm termos separados para “verde” e “azul”, mas usam um termo para descrever ambas as cores, uma espécie de “grue – verdazul”.

Hoje em dia, em quase todas as línguas, o termo original foi restrito ao azul, e um termo verde separado é usado. Russo, grego e turco e muitos outros idiomas também têm dois termos separados para azul – um exclusivamente a tons mais escuros e um a tons mais claros.

Idioma e cor

A maneira como percebemos as cores também pode mudar durante a nossa vida. Falantes de grego que têm dois termos de cor fundamentais para descrever o azul claro e escuro são mais propensos a ver essas duas cores como mais semelhantes depois de viverem por longos períodos no Reino Unido – onde essas duas cores são descrito em inglês pelo mesmo termo de cor fundamental: blue(em inglês).

Isso ocorre porque, após a exposição cotidiana de longo prazo a um ambiente de fala inglesa, o cérebro de falantes nativos de grego começa a interpretar as cores do seu idioma como parte da mesma categoria de cores.

A conversaMas isso não é apenas algo que acontece com a cor, de fato, diferentes linguagens podem influenciar nossas percepções em todas as áreas da vida. E em um laboratório na Universidade de Lancaster, está sendo investigado como o uso e a exposição a diferentes linguagens mudam a maneira como percebemos os objetos do dia a dia. Em última análise, isso acontece porque aprender uma nova língua é como dar ao nosso cérebro a capacidade de interpretar o mundo de maneira diferente – incluindo a forma como vemos e processamos as cores.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.