Uma doença viral devastadora pode ajudar a tratar e prevenir o câncer no cérebro em um futuro próximo. Pesquisadores da Universidade do Texas usaram com sucesso uma versão modificada do vírus Zika para matar seletivamente as células-tronco que permitem que tumores cerebrais sobrevivam em camundongos.

Durante décadas, depois de ter sido descoberto nos anos 1940, apareceu esporadicamente na Ásia e na África. Quando apareceu, causou sintomas semelhantes aos da gripe.

Em 2015, houve uma série de grandes surtos de zika que atingiram a América do Sul, América Central e partes da América do Norte. A maioria das pessoas que contraiu o vírus nesta ocasião não experimentou muito pior, mas logo foi descoberto que o zika às vezes poderia causar defeitos congênitos graves em crianças cujas mães haviam contraído durante a gravidez.

Essas condições congênitas variam de pessoa para pessoa e podem incluir cegueira, deformação física e microcefalia. Tudo parece vir do dano cerebral causado pelo vírus.

Os pesquisadores por trás do novo estudo conduzido por Pei-Yong Shi geneticista da Universidade do Texas, têm vindo a investigar o vírus Zika e seus parentes próximos durante anos, na esperança de entender melhor como e por que o vírus ataca o cérebro do feto e não o adulto. Ao contrário de vírus como o Nilo Ocidental, o Zika prefere infectar um certo tipo de células encontradas no feto conhecidas como células progenitoras neurais. Esta infecção mata e impede que estas células cresçam normalmente e se tornem neurônios completamente maduros.

Embora sua pesquisa tenha focado no desenvolvimento de tratamentos contra o zika – não existe tal medicamento no momento – eles também começaram a se perguntar se o apetite meticuloso do zika poderia ser usado para alguma coisa.

A forma mais letal de câncer cerebral, chamada glioblastoma multiforme (GBM), é quase incurável e menos de cinco por cento dos pacientes sobrevivem cinco anos após o diagnóstico inicial. Muito do que torna o GBM fatal é a sua tenacidade: os tumores quase sempre voltam a crescer após a cirurgia e a quimioterapia.

Alguns cientistas acham que o GBM depende de um tipo específico de célula-tronco usada para reabastecer suas células, conhecidas como células-tronco de glioma. Como essas células têm uma estranha semelhança com as células que o Zika persegue dentro do feto, Shi e sua equipe têm a teoria de que o vírus poderia ser usado como uma arma contra o câncer.

Em pesquisas anteriores, eles descobriram que uma linhagem normal de zika, injetada diretamente no cérebro, poderia prolongar a vida de camundongos que desenvolveram uma forma de GBM. Mas como o zika ainda pode ser perigoso para adultos, eles queriam trabalhar com uma versão menos agressiva do vírus. 

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.