De todas as funções do cérebro, provavelmente é justo dizer que sua capacidade de produzir consciência é a mais desafiadora para que possamos entender. Para entender melhor como o nosso cérebro realiza essa tarefa desconcertante, pesquisadores do Centro de Ciências da Consciência da Universidade do Michigan examinaram mais de perto o que o cérebro está fazendo quando está a caminho da inconsciência.

Agora, você escolheu clicar neste artigo, percorrer os olhos na página e decidir se deve continuar a ler ou não. Enquanto isso, poderá haver vozes conversando nas proximidades, a sensação de uma cadeira sob suas pernas, e um ruído no seu estômago… nenhum dos quais você estava pensando até você ler isso aqui. Certo?

Faça o que for necessário, mas permita que você governe as respostas à vontade, é claro que tem algo a ver com o cérebro. Além disso, ainda há muito que não sabemos com clareza.

Uma maneira de pesquisar o assunto é comparar o estado consciente com o inconsciente, como quando somos nocauteados antes da cirurgia, por exemplo.

Sem pensar muito, podemos assumir que estar inconsciente é um pouco como mudar um interruptor, desligando a nossa consciência estamos desligando as principais áreas do nosso sistema nervoso. Mas o anestesiologista George Mashour pensa que não seja assim.

“Eu publiquei um artigo teórico quando eu residi em anestesiologia sugerindo que a anestesia não funciona desviando o cérebro, por si só, mas sim isolando processos em certas áreas do cérebro”, diz Mashour.

Como qualquer bom cientista, não era suficiente especular – Mashour queria colocar suas hipóteses à prova.

Assim com várias equipes de pesquisadores, ele realizou uma variedade de pesquisas para ver exatamente o que estava acontecendo em todo o cérebro, enquanto ele se deslocava entre estados conscientes e inconscientes.

No primeiro estudo, Mashour e seus colegas monitoraram o fluxo sanguíneo em certos tecidos nervosos usando exames funcionais de MRI, comparando as medidas em 23 pacientes sedados, submetidos à anestesia cirúrgica ou em estado vegetativo.

Eles analisaram especificamente o tempo em áreas do cérebro, pois coordenaram a informação recebida. O que eles descobriram indicava que algumas áreas parecem conversar mais por si mesmas enquanto o tempo de comunicação se estendeu.

“Nós mostramos nos estágios iniciais de sedação, a linha de tempo de processamento de informações é muito mais longa e as áreas locais do cérebro se tornam mais bem conectadas dentro de si”, diz o anestesista do estudo, Anthony Hudetz.

O segundo estudo assumiu o desafio de medir como essa informação realmente se integra no cérebro.

Para descrever quantitativamente essa medida de integração, uma área de pesquisa conhecida como teoria da informação integrada ( do inglês integrated information theory, IIT) usa um valor designado pela letra grega phi. Pensa-se que no cérebro, phi corresponde com a consciência de alguma forma.

Pregar essa figura não é uma busca simples, então os pesquisadores derrubaram a tarefa em etapas mais gerenciáveis ​​e práticas baseadas em leituras de eletroencefalograma (EEG).

“Demonstrou que, à medida que o cérebro é mais modular e tem mais conversas locais, a medida da integração da informação começa a diminuir”, explica o físico e anestesista, UnCheol Lee.

Os resultados desses dois estudos sugerem que phi – a medida da integração da informação – encolhe, pois o tempo de comunicação em todas as regiões disparadas do cérebro também encolhe e sua atividade se volta.

Em seu relatório final, eles analisaram seus resultados contra a literatura mais recente, resumindo sua compreensão de como nossos cérebros funcionam durante o sono, anestesia geral e distúrbios da consciência.

“Descobrimos que, durante a inconsciência, a conectividade interrompida no cérebro e uma maior modularidade estão criando um ambiente que é inóspito para o tipo de transferência de informações eficiente que é necessária para a consciência”, diz Mashour.

Embora ainda haja muitas perguntas sem resposta, o trabalho faz mais do que apenas apontar como a consciência surge de um cérebro saudável; isso poderá nos ajudar a distinguir melhor quando os pacientes que não respondem ainda estão conscientes.

Está cada vez mais claro que a diferença entre consciência e inconsciência é muito mais complicada do que percebemos pensar.

E saber mais sobre os processos que nos despertam a consciência podem nos ajudar a resolver um dos talentos mais desconcertantes do cérebro: a própria existência da consciência.

Esta pesquisa foi publicada no Journal of NeuroscienceFrontiers in Neuroscience Humanos e Trends in Neurosciences.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.