Shutterstock.com

Conseguir ter oito horas de sono ou mais a cada noite continua a ser uma das sugestões de medicina para a saúde geral.

Dormir aquelas oito horas mágicas permite que o corpo se recupere, estimule uma melhor clareza mental e dê tempo ao sistema imunológico para curar.

Mas novos dados agora sugerem que tentar fazer um cronograma de sono atrasado com cochilos poderia ser prejudicial.

Um novo estudo da Universidade Johns Hopkins relata que as pessoas que estão com muito sono durante o dia eram três vezes mais propensas do que aquelas que estavam bem descansadas durante o dia de ter Alzheimer.

“Fatores como dieta, exercício e atividade cognitiva têm sido amplamente reconhecidos como importantes alvos potenciais para a prevenção da doença de Alzheimer, mas o sono não subiu para esse estado – embora isso possa estar mudando”, disse Adam P. Spira, PhD. Spira também é professora associada no Departamento de Saúde Mental da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins.

O estudo utilizou dados do Estudo Longitudinal do Envelhecimento de Baltimore (BLSA). Este estudo de longo prazo começou em 1958 e acompanhou milhares de voluntários à medida que envelheciam.

O estudo comparecia periodicamente com os participantes, fazendo perguntas sim ou não. Houve várias perguntas em 1999 e 2000 que perguntavam: “Você costuma ficar sonolento ou adormecer durante o dia quando deseja estar acordado?”

Outra pergunta era se um participante dormia e com que frequência tiravam cochilos. Não apenas a equipe do BLSA fez essas perguntas, mas também fez outros estudos sobre a neuroimagem dos participantes.

Em 2005, alguns participantes completaram a tomografia por emissão de pósitrons em busca de placas beta-amilóides no tecido cerebral. Placas beta-amilóides são frequentemente vistas como uma característica da doença de Alzheimer.

O estudo comparecia periodicamente com os participantes, fazendo perguntas sim ou não. Houve várias perguntas em 1999 e 2000 que perguntavam: “Você costuma ficar sonolento ou adormecer durante o dia quando deseja estar acordado?”

Outra pergunta perguntava se um participante dormia e com que frequência tiravam cochilos. Não apenas a equipe do BLSA fez essas perguntas, mas também fez outros estudos sobre a neuroimagem dos participantes.

Os pesquisadores então observaram que aqueles que relataram sonolência diurna tinham três vezes mais probabilidade de ter a deposição de placas do que aqueles que não relataram.

Os pesquisadores disseram que mais investigações precisam ser feitas. Outros estudos em animais parecem sugerir que a doença de Alzheimer aparece consistentemente em espécimes privados de sono.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.