Imagem: pixabay

Dois geofísicos encontraram evidências de que o fluxo de ferro em torno do núcleo da Terra poderia prevê os próximos terremotos.

“A Terra nos pode prevê cinco anos antes futuros terremotos, o que é notável”, sugere um dos pesquisadores , Roger Bilham, da Universidade do Colorado (CU) em Boulder.

Sismólogos e geofísicos já teorizaram que o núcleo externo da Terra contribui para pequenas flutuações no comprimento do dia médio. Essas diferenças são tão pequenas e representam as menores desacelerações para a velocidade na qual a Terra viaja.

Bilham e Rebecca Bendick, da Universidade de Montana, observaram que há uma correlação entre as variações de comprimento e os terremotos de magnitude 7 de maior importância nos últimos 100 anos. Os dois pesquisadores teorizam que o ferro fundido que se move em torno do núcleo da Terra poderia ser a causa.

“A correlação que encontraram é notável e merece investigação”, disse Peter Molnar, da Universidade do Colorado, que não estava envolvido no estudo, em entrevista à Science.

Segundo os cientistas esta nova medida poderia nos dar até cinco anos de alerta antes de outro grande terremoto atacar – ou, pelo menos, uma crescente presença de tremores de alta potência.

“Eu trabalhei em terremotos desencadeados pela variação sazonal, derretida a neve”, disse Michael Manga, da Universidade da Califórnia, Berkeley, à  Science . “Esta correlação é muito melhor do que o que eu costumava ver”.

Atualmente, o movimento do núcleo de ferro é um dos poucos fatores que afetam o campo magnético da Terra, bem como a duração do dia (LOD). Pesquisas anteriores observaram que, na ausência de uma força externa, o momento angular da Terra deve depender das forças internas para serem constantes. Assim, o núcleo, o manto, a crosta, as marés, a atmosfera e a criosfera servem como pedaços do enigma maior precisamente em quanto tempo dura cada dia. Uma alteração em uma área (como o momento angular atmosférico ou AAM) deve ser contabilizada em outra região (como o núcleo da Terra) para manter adequadamente o equilíbrio.

“O ano de 2017 marca seis anos após um episódio de desaceleração que começou em 2011,”  escrevem os pesquisadores “, sugerindo que o mundo já entrou em um período de maior produtividade sísmica global com uma duração de pelo menos cinco anos”.

Se a pesquisa estiver correta, esperamos entre 17 e 20 terremotos pesados ​​a cada ano a partir de 2018.

A pesquisa foi inicialmente publicada em agosto, mas agora está sendo apresentada em reuniões recentes da Geological Society of America.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.