Imagem: G1/Globo

Considerada a maior e mais complexa infraestrutura científica já construída no país, o Sirius, um gigante acelerador de partículas, foi planejado para colocar o Brasil na liderança mundial de produção de luz síncrotron. O projeto, porém, está ameaçado pela crise que atinge o país.

O equipamento, construído em Campinas, tem 230 metros de diâmetro e, visto por fora, lembra um gigantesco disco-voador ou mesmo um estádio de futebol. O problema é que o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais não tem dinheiro suficiente para fechar o ano sem dispensar funcionários ou desligar suas máquinas.

Para falar sobre o assunto, o programa Revista Brasil entrevistou o professor e presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC), Luiz Davidovich, que falou sobre os cortes de verba para a ciência.

Ouça a entrevista aqui.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.