Um exame de sangue irá revelar o nível de fecundidade das mulheres antes de sofrer tratamento de fertilização assistida, de acordo com um estudo realizado por um grupo franco-espanhol de pesquisadores e médicos na última edição do Journal of Gynecology and Women’ s Health(Jornal de saúde ginecológica). Nas suas conclusões, o estudo indica que os níveis excessivos de DNA livre no sangue é um fator de prognóstico negativo sobre a probabilidade de obtenção de uma gravidez normal.

Segundo o Dr. Jan TESAŘÍK, um dos autores deste artigo e diretor da Clínica MARGEM Granada na Espanha, “a qualidade dos ovos, incluindo mulheres jovens, caiu significativamente ao longo dos últimos 20 anos. As causas são múltiplas, embora nossos resultados sugerem um denominador comum provável. O estresse sofrido por células ovarianas envolvidos no desenvolvimento e maturação dos ovos, que é responsável pela liberação de DNA a partir de células afetadas”.

Moléculas de DNA são portadoras da informação genética de todas as células, e sua localização usual é intracelular, dentro do núcleo. No entanto, uma pequena proporção de DNA escapa das células e aparece livre no sangue.

Nos últimos anos, numerosos estudos avaliaram o uso de DNA livre, circulando no sangue, no diagnóstico e prognóstico do câncer, sob as conhecidas biópsias líquidas. Esses estudos têm o sequenciamento profundo de DNA livre circulante para obter informações sobre sua origem celular e o status funcional das células em questão. 

Técnicas semelhantes também estão sendo desenvolvidas para avaliar o grau de dano celular no caso de infarto do miocárdio ou distúrbios imunológicos. A publicação sugere que a análise do DNA circulante livre também pode ser relevante no campo da reprodução assistida.

Para o Dr. TESAŘÍK, o desenvolvimento de técnicas baseadas em DNA circulante livre como um marcador da função reprodutiva das mulheres, e provavelmente o homem passar por uma análise qualitativa das amostras obtidas, incluindo não só sequenciamento profundo mas também a avaliação da informação epigenética (um fator determinante na regulação da expressão ou repressão de certos genes). “Esses estudos”, conclui o Dr. Tesarik, “nos permitirão determinar mais precisamente a origem do problema em cada caso clínico individual e escolher uma estratégia terapêutica apropriada”.

Atualmente, existem outros marcadores no sangue que refletem o nível de fertilidade relacionado aos níveis hormonais, como antimulleriana (AMH) ou gonadotropina FSH. No entanto, estes marcadores permitem conhecer o número de óvulos presentes nos ovários, não a sua qualidade. Dessa forma, a análise do DNA livre circulante teria um valor complementar relevante, fornecendo informações independentes.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.