O lançamento do aplicativo Waze, por volta de 2008, trouxe inúmeros benefícios e facilidades para quem dirige, principalmente nas grandes cidades. De maneira colaborativa, os usuários podem saber a situação do trânsito em tempo real e ainda ter a facilidade de o próprio aplicativo indicar a melhor rota para chegar ao destino final. “O Waze é um exemplo de como o mundo digital transformou os usuários, ou seja, nós, o mundo físico, em sensores”, destaca o engenheiro Elcio Brito da Silva, pós-doutorando do Grupo de Automação em TI (Gaesi) da Escola Politécnica da USP.

A quebra dos limites entre o mundo físico (impressão 3D, robótica avançada), o digital (internet das coisas, plataforma digitais) e o biológico (tecnologia digital aplicada à genética) é a principal característica da quarta Revolução Industrial, que, acredite, já está em curso. Essa nova realidade tecnológica é o tema central do livro Automação & Sociedade – Quarta Revolução Industrial, um olhar para o Brasil. A obra, organizada pelos professores do Gaesi Eduardo Mario Dias (coordenador geral) e Sérgio Luis Pereira, além da pesquisadora Maria Lídia Rebello Pinho Dias Scotton e de Élcio Silva, reúne textos dos mais variados especialistas, de vários campos de atuação, que discutem como essa revolução vai mudar a sociedade.

Num primeiro momento, o tema pode parecer algo muito longínquo da nossa realidade e se assemelhar a algum roteiro de ficção científica futurista. Entretanto, basta recordar que a inovação do Waze, que nos transformou em sensores, ocorreu há quase uma década. No futuro, a previsão é que motoristas de carro deixem de ser necessários: atualmente, várias empresas e universidades do mundo, entre elas a USP, já desenvolvem projetos como os veículos autônomos (sem necessidade de condutores). Em muitos aeroportos ao redor do mundo, o check-in e o despacho de malas já é feito de modo automático, sem presença humana, e em algumas cidades do exterior já existem supermercados onde não há funcionários nos caixas: tudo é automatizado.

Especialistas do setor afirmam que a sociedade brasileira precisa ficar muito atenta a este momento da história, pois a quarta Revolução Industrial vai trazer as maiores transformações, nunca antes vistas pela humanidade. “É um livro para as pessoas entenderam o que está acontecendo com o mundo nesta quarta Revolução Industrial”, destaca Silva.

Quebra de limites entre barreiras

O engenheiro cita um outro exemplo da quebra de barreiras entre os mundos físico, biológico e digital: as turbinas da General Eletric (GE), que “percebem” quando irão quebrar e, com isso, sabe-se antecipadamente a necessidade de ser feito algum reparo.

Na área biológica, Silva comenta o caso de pesquisadores do Instituto Federal Suíço de Tecnologia, em Lausanne, que fizeram com que a perna paralisada de um macaco voltasse a ter movimentos com a ajuda de eletrodos ligados ao cérebro do animal, computadores e softwares, além de um estimulador na medula espinhal do primata.

Agora é o futuro

O engenheiro destaca que a “velocidade com que essas mudanças estão ocorrendo é muito rápida. Muitas vezes, pensamos que quem precisa se qualificar para essas mudanças são as próximas gerações e que nada vai acontecer conosco”. Entretanto, o engenheiro faz um alerta: é importante sim pensar nas novas gerações, porém a quarta Revolução Industrial será tão intensa que trará mudanças muito profundas já nos próximos dez anos, em todos os setores da sociedade.

Texto retirado na íntegra de Jornal da USP.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários