“Design Thinking” – preparando o terreno para a solução…

O problema já está entendido e dissecado, o desafio está lançado. É ele: como podemos aumentar o interesse e participação dos alunos nos exercícios, utilizando smart-phones? 

Agora, antes de trabalharmos para procurar soluções inovadoras para o problema, é melhor preparar o terreno. Em primeiro lugar, forme um grupo de trabalho, já que reconhecidamente um bom grupo nos dará maiores chances de obtenção de boas ideias. Vamos pensar um pouco sobre isto? Além disto, aja no seguinte sentido:

1 – Prepare o espaço de trabalho –  o grupo deve ter um espaço próprio e acolhedor, mesmo que seja apenas uma parede… Ela pode conter fotos inspiradoras, frases e notícias sobre o assunto, etc. Deve também oferecer possibilidade de afixar pequenas cartolinas, “post-it’s”, e material semelhante. Um ou mais “flip chart’s” também podem dar um bom auxílio…

2 – Comece pequeno – um grupo central de dois a cinco membros é conveniente, pois é mais fácil de coordenar e reunir; mas, em alguns momentos, outros indivíduos podem ser chamados para a opiniões, participar de alguma atividade criativa, etc.

professor mario augusto

3 – Promova a diversidade – o melhor é selecionar pessoas que possam ter diferentes visões sobre o problema. No nosso caso, envolver alunos, professores, e mesmo gestores de ensino, é bom; se forem pessoas não muito conhecidas por nós, melhor… “Misture” bem o grupo!

4 – Garanta tempo para estar só – embora o trabalho seja realizado em maior parte no grupo, é importante disponibilizar alguns momentos para interiorização do problema e reflexão pessoal. Boas soluções, para serem discutidas posteriormente, podem sair destes momentos…
Imagem de Shutterstock 
Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Compartilhe:
Publicação anteriorInovações empresariais superam a crise
Próxima publicaçãoPríncipe Philip elogia engenheiros como “perdendo apenas para Deus”
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.