Você deve estar percebendo que criar algo novo é percorrer uma longa caminhada, que pode ser fácil ou cheia de obstáculos, que então devem ser contornados. E, às vezes, esta caminhada, para ser bem sucedida, até tem que mudar a direção. Na história das grandes inovações sempre foi assim, e, em minha opinião, isto é fascinante e nos permite descobrir mais coisas e outros caminhos, talvez até melhores…

Por tal motivo, vamos dar uma pequena parada e fazer um “pit stop” na nossa tentativa de criar algo bem interessante.

1 – em primeiro lugar, procuramos conhecer algumas das principais tendências de mercado no Brasil (“Engenharia em Pauta” – EP – 105)

2 – Trabalhamos, em um primeiro exemplo, com duas tendências: a “10 – Grande número de pessoas morando sozinhas” e a “14 – Aumento da população + 60”. Sugerimos alguns conceitos para atendimento destas tendências. (EP 106)

3 – Selecionamos uma tendência para trabalharmos juntos, e esta foi a “19 – Prioridade à Saúde” (EP 107)

4 – Neste ponto, propusemos a separação do problema em partes, e demos dicas para observação do possível funcionamento do mesmo em campo (EP 108)

5 – Aí, fizemos uma primeira proposta de ideia/conceito, a partir de raciocínio próprio e observações em campo (EP 109)

6 – Neste momento foi preciso intensificar observações e fazer entrevistas (EP 110)

7 – E também foi hora de fazer um “exame pessoal” do conceito (EP 111)

8 – E também foi fundamental fazer um exame do conceito, no estado atual, pelos famosos ”Faça” de Peter Drucker (EP 112)

Agora, estamos preparados para continuar nossa “corrida” atrás da criação de um produto novo e inovador… Vamos nesta?

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Compartilhe:
Publicação anteriorQual é a diferença entre combustível para aviões e combustível para carros?
Próxima publicaçãoO maior centro comercial de Pequim terá uma floresta urbana em seu topo
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.