Eu realmente gosto muito do já citado livro de Murray (1). Ele tem me ajudado a entender os fenômenos ligados à criatividade, e métodos para inovar. Muito bom mesmo!

Mas neste livro tem mais alguma coisa que eu gostaria de compartilhar, e que é uma pequena história que ele conta de quando era jovem, talvez criança. Tem lições importantes para nós, eu creio!  Vamos lá: achava-se ele sentado na margem de um lago, com sua cadela de estimação, April. No lago há uma ilha, e ele, como jovem, quer conhecê-la e explorá-la. Mas como fazer? Não há barco disponível, e a vontade de ser explorador é grande… E como nesta idade não se desiste de uma ideia, resolve construir uma jangada. Empreendimento bem difícil, sem ferramentas apropriadas ou material disponível! Mas ele se lança à empreitada, e depois de algum tempo, talvez dias, consegue! Funciona, mas a jangada é precária e não dá para levar também a April!  Então, o que fazer?  Que pena, mas nesta aventura tem que deixar sua grande companheira à margem… Mas, decidido isto, lá ele vai remando com dificuldade, e chega à ilha! E que surpresa: a April já está lá, abanando o rabo, toda contente! É que na realidade a ilha era mesmo uma península, e se ele não se tivesse fixado à ideia de “ilha”, e tivesse andado um pouco pela praia, explorando, teria achado o caminho mais fácil, a passagem para a ilha, e, portanto, a melhor solução, que foi a que a April achou facilmente…

Quanta coisa para refletir com base nesta história: como ficamos fixados em soluções predeterminadas e costumeiras, e não saímos para explorar outras possibilidades! Como não temos curiosidade, ou mesmo vontade, de procurar outros caminhos e saídas para solucionar um problema que temos que resolver! Como ficamos bitolados!

Mas é muito salutar nos conscientizarmos destas afirmações que fiz acima, até meio duras: porque então poderemos nos vigiar e tentar sair destas correntes que prendem nossa criatividade, e aí parar de fazer jangadas para de fato caminharmos pelas praias da imaginação! Pode dar em nada, a ilha pode ser mesmo uma ilha, mas o que teremos perdido? Nada! Pelo menos teremos conhecido outras paragens!

Boas praias para você caminhar!

Referência:

  1. MURRAY, K.D. A arte de imitar – seis passos para inovar em seus negócios copiando as ideias dos outros. Trad.Rio de Janeiro: Elsevier, 2011. 244 p.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.
Compartilhe:
Publicação anteriorJustiça autoriza empresa a comercializar Aedes aegypti modificado
Próxima publicaçãoHomem se lança em foguete caseiro para ‘provar’ que a Terra é plana, vídeo
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.