Resumindo o que tem sido comentado nas últimas semanas, o bom engenheiro, ao lidar com sua profissão, deve sempre considerar que sua atividade tem tudo a ver com a solução dos problemas da sociedade, e, portanto deve sempre estar preocupado com:

  • “A sociedade” – deve estar sempre pensando, com firmeza e segurança, sobre o caráter social que a ação de engenharia possui, e, portanto, sobre que resultados ela trará para a sociedade;
  • “Tecnologia” – os aspectos tecnológicos envolvidos, que devem contemplar as mais recentes e eficazes tecnologias – deve, portanto, estar sempre estudando e atualizando-se;
  • “Economia” – uma análise econômica da ação em engenharia sempre deverá estar na mente do engenheiro: quais custos envolvidos, o retorno esperado, os riscos envolvidos, a logística envolvida, etc. Enfim, o engenheiro tem que ser um planejador, mesmo ao longo do desenvolvimento de um projeto, acompanhamento de uma obra, etc.;
  • “Política” – aqui considerada como o conjunto dos meios que permitem alcançar os efeitos desejados, tanto os da empresa que possui ou na qual está trabalhando, quanto seus objetivos pessoais e os da sociedade; daí o engenheiro tem que desenvolver uma boa cultura generalista, que inclua o conhecimento de si mesmo, do ambiente de trabalho, e da sociedade no qual está inserido;
  • “Ambiente” – o impacto ambiental que a ação de engenharia terá, a curto e longo prazos;

É, o bom engenheiro tem que ser um profissional que gosta de estudar e de atualizar-se, além de ter boa cultura, ser “antenado”, e de fato estar inserido no mundo no qual atua. Legal, não?

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Compartilhe:
Publicação anteriorEsta máquina é capaz de passar e dobrar roupas em menos de um minuto
Próxima publicaçãoPrazo de inscrição para o Sisu foi prorrogado após falhas em acesso

É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.