Um buraco gigante apareceu de repente na superfície da Antártica e os cientistas não sabem como isso aconteceu. “Parece que você apenas perfurou um buraco no gelo”, disse o físico atmosférico Kent Moore, professor do campus Mississauga da Universidade de Toronto. O surgimento repentino deste buraco, pelo segundo ano consecutivo, confundiu cientistas, cujo acesso ao mesmo é limitado. “Isso é a centenas de quilômetros da borda do gelo”, disse Moore. “Se não tivéssemos um satélite, não saberíamos que estava lá”.

O fenômeno observado ocorre quando a água do oceano aberto é cercada por gelo marinho sólido, levando a mudanças no gelo circundante. Esta região em particular tem sido conhecida pelos cientistas desde a década de 1970, embora não tenham sido capazes de investigar completamente. “Naquela época, a comunidade científica acabara de lançar os primeiros satélites que forneceram imagens da crosta terrestre de gelo marinho do espaço”, disse o Dr. Torge Martin, meteorologista. “As medições no local no Oceano Austral ainda exigem esforços enormes, por isso são bastante limitadas”.

Este é o segundo ano consecutivo em que o buraco foi aberto na Antártica. Embora alguns possam sentir que as mudanças climáticas estão por trás dessa ocorrência incomum, Moore adverte mais estudos antes de tirar conclusões. No entanto, as mudanças climáticas certamente podem influenciar a estrutura do gelo marinho. “Uma vez que o gelo do mar derrete, você tem esse enorme contraste de temperatura entre o oceano e a atmosfera “, explicou Moore. “Pode começar a conduzir a convecção”. Isso pode resultar em polinias, alimentadas por água mais quente subindo para a superfície, durando mais do que o observado anteriormente.

Independentemente das suas origens, a polínia ( polínia é qualquer área de águas abertas no meio da banquisa ou do gelo fixo, e que não tenha forma linear ) relatada oferece informações adicionais para o estudo do clima.

“Para nós, esta área livre de gelo é um novo e importante ponto de dados que podemos usar para validar nossos modelos climáticos”, disse Moore. “Sua ocorrência após várias décadas também confirma nossos cálculos anteriores”.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.