Boyan Slat, um jovem de 23 anos está criando um limpador do oceano que poderia remover 7,250,000 toneladas de resíduos de plástico dos oceanos do mundo. O dispositivo é basicamente uma rede ancorada de barras flutuantes e plataformas de processamento que são colocadas nos oceanos.

Em vez de se deslocar pelo oceano, a matriz abrangeria o raio de onde há lixo, atuando como um funil gigante. O ângulo das barreiras forçaria o plástico ir na direção das plataformas, onde seria separado do plâncton, filtrado e armazenado para reciclagem.

Slat tinha apenas 16 anos e ainda estava na escola quando ele encontrou o que ele chamou de “problema”. “Em um feriado familiar na ilha grega de Lesbos em 2010, ele tomou uma aula de mergulho e ficou tão chocado com o nível de poluição da água – “Havia mais sacos do que peixes lá embaixo” – ele prometeu pensar em uma maneira de limpar tudo. E é exatamente isso que ele fez.

O garoto voltou para casa, leu diversos livros e fez o suficiente para ficar por dentro do assunto. Então ele elaborou uma ideia de limpeza com um amigo para uma competição de ciências do ensino médio, que envolveu colocar uma longa barreira no mar para pegar grandes pedaços de plástico passando. Eles ganharam essa competição.

Veja a palestra dele na TEDx:

Slat então, fundou a The Ocean Cleanup Foundation, uma organização sem fins lucrativos que é responsável pelo desenvolvimento de suas tecnologias. Sua solução engenhosa poderia potencialmente salvar centenas de milhares de animais aquáticos anualmente e reduzir os poluentes. Também poderia economizar milhões por ano, tanto em custos de limpeza, turismo perdido quanto em danos aos navios.

Hoje a empresa emprega uma equipe crescente de 65 funcionários remunerados, de pesquisadores a engenheiros, quase todos os quais são mais velhos do que Slat. Através de plataforma de crowdfunding, ele conseguiu patrocínio que recentemente passou de US$ 31 milhões.

Slat disse ao The Telegraph: “Penso que quase todos plástico já criado ainda existem em algum lugar, de alguma forma. Um estudo global divulgado no mês passado revelou que 91 por cento nunca são reciclados e 79 por cento estão em aterros sanitários ou no meio ambiente. O plástico de uso único, como garrafas de água, leva 450 anos para decompor. Na última década produzimos mais plástico na do que no século passado, isso é muito a se acumular: muitas bonecas Barbie, muitos quadris prostéticos, etc. A este ritmo, na verdade, haverá mais plástico do que o peixe no mar dentro de 33 anos.

Slat não é um “anti-plástico”, porque é bastante difícil assumir essa posição e continuar como um ser humano. Sentado em um sofá feito com plástico, tamborilando em uma mesa de café feita de resíduos de plástico, criando desenhos em um notebook (plástico) e ocasionalmente brincando com seu telefone (plástico), ele admite que o plástico mudou o mundo para o Melhor, mas também para pior.

É uma prioridade, a solução da Slat sempre se concentrou em colocar a solução em lugares onde tem grandes quantidades de plástico, pelo simples motivo de que eles se tornem perigosos e também porque são mais fáceis de coletar.

No próximo ano, A fundação de Slat irá lançar barreiras sólidas de 99 quilômetros de comprimento (feitas de polietileno termoplástico e de alta densidade, ambas ecológicas) no mar em pontos estratégicos, começando com o pior de todos eles, o Grande Depósito de Lixo do Pacífico.

Tem alguma outra dica? Deixe-a aqui nos comentários.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD