Depois de uma longa busca, um mistério cósmico foi resolvido. Os astrônomos fizeram a primeira detecção de uma molécula radioativa no espaço – um isótopo de alumínio.

Sabemos da presença de 26 Al – ou monofluoreto de alumínio – no espaço há décadas. Em 1984, os dados de satélite HEAO 3 da NASA foram usados ​​para identificar radiação de raios gama originada do decaimento beta do isótopo. De acordo com essas observações, há aproximadamente duas massas solares de 26 Al na Via Láctea.

Mas os objetos responsáveis ​​por produzir 26 Al nunca foram identificados diretamente, porque nossos observatórios de raios gama não eram suficientes.

O que os pesquisadores sabiam é que CK Vulpeculae é possivelmente a mais antiga nova documentada no céu, localizada a cerca de 700 parsecs (2.280 anos-luz) de distância, na constelação de Vulpecula (The Little Fox).

Vulpecula foi documentado pela primeira vez em junho de 1670, quando ele ganhou vida. Ele explodiu novamente em 1671, e permaneceu visível a olho nu até 1672. Mas se você tem um telescópio, ele ainda é visível lá em cima, e em 2015 foi descoberto que provavelmente foi o resultado de duas estrelas colidindo.

Também é cercado por um fluxo de gás molecular com uma composição isotópica muito incomum. E, em uma pequena região do remanescente, usando ferramentas poderosas como o milímetro NOEMA Interferometer e o novo receptor Band 5 no ALMA , os astrônomos encontraram sua assinatura.

E a presença suporta a hipótese de colisão estelar. Isso adiciona um novo tipo de objeto – o remanescente da fusão estelar – à lista do que considerar no contexto da produção de 26 Al.

as os objetos responsáveis ​​por produzir 26 Al nunca foram identificados diretamente, porque nossos observatórios de raios gama não eram suficientemente sensíveis.

Uma equipe de astrofísicos, de instituições como o Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian e o Instituto Max Planck, alguns observatórios de topo de linha e um estranho objeto no céu chamado CK Vulpeculae.

O que os pesquisadores sabiam é que CK Vulpeculae é possivelmente a mais antiga nova documentada no céu, localizada a cerca de 700 parsecs (2.280 anos-luz) de distância, na constelação de Vulpecula (The Little Fox).

Vulpecula foi documentado pela primeira vez em junho de 1670, quando ele ganhou vida. Ele explodiu novamente em 1671, e permaneceu visível a olho nu até 1672. Mas se você tem um telescópio, ele ainda é visível lá em cima, e em 2015 foi descoberto que provavelmente foi o resultado de duas estrelas colidindo .

Também é cercado por um fluxo de gás molecular com uma composição isotópica muito incomum. E, em uma pequena região, usando ferramentas poderosas como o milímetro NOEMA Interferometer e o novo receptor Band 5 no ALMA , os astrônomos encontraram sua assinatura.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.