Um simples “pato robótico” pode em breve se tornar um acessório no mundo das crianças que têm câncer – um robô social que pode ser bobo, feliz, nervoso, assustado ou doente, assim como eles, e ajudá-los a lidar de forma criativa com a doença.

O pato, desenvolvido pelo especialista em robotica Aaron Horowitz e sua empresa, está sendo submetido a testes e deverá ser amplamente distribuído até o final deste ano.

Horowitz disse que foi diagnosticado como uma criança com deficiência de desenvolvimento de crescimento humano e teve que se entregar injeções diárias por cinco anos. A experiência, disse ele, o fez querer ajudar outras crianças com doenças, o que levou à co-fundação da Sproutel, com sede em Rhode Island, com um parceiro que conheceu na Northwestern University.

Diversoss hospitais infantis e lares de idosos têm experimentado há mais de uma década o uso de robôs para companheirismo social e para saúde emocional. Alguns dispositivos se parecem com robôs por excelência; outros são projetados como brinquedos fofos como o pato.

A sofisticação tecnológica das máquinas varia, mas tem objetivos semelhantes: melhorar o bem-estar psicológico dos pacientes, lembrá-los de tarefas relacionadas à saúde ou ensiná-los sobre objetivos de saúde.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.