O ser humano demora séculos a desenvolver novas formas de comunicação. Em todo o mundo, falam-se cerca de sete mil idiomas distintos, muitos dos quais que se podem reproduzir de forma verbal, escrita ou através de sinais. O uso destes últimos é, normalmente, restrito a pessoas surdas que são incapazes de manter uma conversa falada, a menos que consigam ler os lábios da outra pessoa.

Assim, a tecnologia que acaba de ser desenvolvida por pesquisadores da Universidade Purdue, em colaboração com o Facebook e o Massachusetts Institute of Technology (MIT), pode tornar-se muito útil.

Segundo o Hipertextual, trata-se de uma ferramenta computacional que traduz os fonemas da língua inglesa em diferentes tipos de vibração, emitidos no antebraço de uma pessoa previamente treinada para compreendê-los.

O professor de ciência da computação e engenharia elétrica da Universidade de Purdue, Hong Z.Tan, iniciou o desenvolvimento desta tecnologia háptica (baseada no toque) depois de ter sido desafiado pelo Facebook. Para isso, os pesquisadores tiveram de projetar uma linguagem inteira na forma de diferentes tipos de vibrações.

Numa primeira etapa, os fonemas foram distribuídos pelo braço de maneira semelhante à colocação da língua sobre a boca para pronunciá-los. Por exemplo, os sons emitidos na frente da boca, tais como “P” ou “b” foram codificados através de vibrações no pulso. Por outro lado, os fonemas da parte de trás da boca, como “g” ou “K” estão posicionados abaixo do cotovelo.

As vogais e as consoantes também diferem: as primeiras foram convertidas em vibrações que se deslocam; enquanto que as segundas foram transformadas em vibrações estacionárias.

As pessoas que experimentaram este dispositivo iniciaram o seu treino com alguns fonemas, mas conseguiram transmitir até 500 palavras. O desempenho variou de pessoa para pessoa, mas, no geral, todas conseguiram obter bons resultados algumas horas depois de terem aprendido estes “códigos”.

Os investigadores acreditam que este sistema pode ser adaptado a outros idiomas. Além disso, estão confiantes de que seria capaz de produzir sons da vida quotidiana, além de fonemas simples.

“Poderíamos facilmente criar novos padrões de estimulação háptica que codificariam sons como uma buzina ou uma torneira aberta”, explicou Tan. Trata-se, sem dúvida, de uma ferramenta que, no futuro, poderia dar muito que falar… mas só através da vibração.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.