“As máquinas podem pensar?” Vamos explorar essa pergunta feita por Alan Turing nos anos 50. Os incontáveis ​​cenários de desastre, nos quais a inteligência artificial (IA) domina o mundo e destrói a humanidade, já são inventados e ainda são contados em Hollywood.

A IA ainda não assumiu o controle da humanidade, mas de fato assumiu o controle de muitos aspectos de nossas vidas, mesmo que não a percebamos. Aceitamos a IA como parte de nossas vidas. O exemplo mais simples é o dos nossos smartphones!

O uso de aplicativos de IA nesse domínio é tão difundido que agora é possível produzir soluções para quase todos os grupos profissionais. Medicina, educação, agricultura, automação, energia, ciências naturais, finanças, arte, direito, etc.

O papel da aprendizagem profunda 

Nos últimos 7 anos, a subárea da IA, aprendizagem profunda, tem sido mais bem-sucedida que os humanos, especialmente no processamento de dados visuais e na análise de imagens, que objetos ou seres vivos existem, relacionamentos entre eles, estimativa de eventos, rastreamento de objetos ou pessoas, etc.

E se a IA tentar ser um advogado?

Para um advogado humano, leva semanas para pesquisar sobre o caso, mas a IA pode fazer isso em apenas alguns segundos. Além disso, a IA não se cansa, dorme, come ou bebe café. De fato, a IA pode produzir resultados melhores do que um advogado experiente.

O que você diria sobre isso? Será que toda a IA erradicará a necessidade de advogados?

Quais são as taxas de precisão dos programas de IA? 

Em 2017, em um experimento que envolveu mais de 100 advogados em Londres, foram examinadas centenas de solicitações reais para uma irregularidade específica de cartão de crédito.

Enquanto a precisão da predição humana era de 66,3%, um programa de IA treinado para prever se aceitaria ou não arquivos alcançou uma precisão de 86,6%.

Além disso, no final de 2017, quatro estudantes da Faculdade de Direito de Harvard argumentaram que o uso da IA ​​para formular e gerenciar projetos de contratos jurídicos era muito preciso.

Com seu poderoso mecanismo de pesquisa chamado Evisort, que aproveita o armazenamento em nuvem e a inteligência artificial, eles esperam revolucionar a maneira dispendiosa e trabalhosa que os advogados atualmente lidam com contratos e outros trabalhos transacionais, liberando-os para tarefas mais criativas e interessantes.

Quando eles dizem: “Em seis segundos eles podem revisar um contrato de 30 páginas e retirar informações para você”, os advogados dizem: “Por que gastei 10 anos da minha vida fazendo isso?” Essa reação é o que os deixa animados para continuar.

A maneira de reduzir custos sem sacrificar o desempenho e a precisão é através do uso de modelos de aprendizado profundo e aprendizado de máquina no processamento de linguagem natural para correspondência de lei.

Comparação de desempenho dos advogados do AI e dos advogados humanos

Outro estudo atual foi da LawGeex, que foi fundada em 2014. Eles compararam o desempenho de 20 advogados experientes das Nações Unidas com seus sistemas de IA e publicaram um relatório de 40 páginas.

Resultados obtidos: Na tarefa diária de avaliação de risco legal, a média de desempenho entre os advogados humanos foi de 85%, enquanto a média de IA foi de 94% de sucesso.

Além disso, o tempo médio necessário para “advogados humanos” para esse processo é de 92 minutos, enquanto o tempo necessário para a IA é de 26 segundos. IA pode continuar este processo por um longo tempo sem descanso!

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.