Ele programou seu primeiro servidor aos 11 anos e conseguiu aproximar 3.000 usuários para se registrarem em uma plataforma de videogame que permitia que eles interagissem no modo multiplayer com outras pessoas em tempo real.

Oriundo de Guadalajara, Jalisco, Joel Hernández foi educado em casa por 10 irmãos e um bar de balé em seu quintal, até o primeiro computador chegar à família, o que o deixou apaixonado por computação.

Seu interesse alcançou tal nível que ele começou a ser educado em temas digitais e programação desde os 11 anos, com livros trazidos a ele por seus irmãos nos Estados Unidos.

Quando ele atingiu a maioridade, sem perguntar ou notificar seus pais, ele se candidatou para a Universidade Livre de Amsterdã (Vrije Universiteit), que o aceitou após uma série de exames matemáticos e conhecimentos gerais para estudar engenharia de sistemas de computação.

Hoje, quatro anos depois, e com a recente implementação na Europa do Regulamento Geral de Proteção de Dados (PIBR, por sua sigla em Inglês) do seu lado, Hernandez é diretor e fundador da plataforma OpenBook que quer acabar com o monopólio do Facebook.

O jovem já faz parte da lista “30 Under 30 Europe” da Forbes, que inclui 30 dos maiores empresários que ainda não tem 30 anos de idade. 

Uma rede social para usuários, criada por usuários

Atualmente, os escritórios principais do Openbook estão na cidade de Amsterdã, na Holanda, onde os servidores são construídos e programados, licenças e autorizações são processadas e se comunicam com aproximadamente 30 engenheiros, web designers e programadores.

Para aqueles que não são particularmente gênios da programação, a plataforma vai permitir a personalização do perfil, que não se refere apenas a uma foto e uma cobertura, mas a construção completa de cores, tipografia, tipo de conteúdo, fontes informações permitidas e o design de um avatar animado.

Mesmo para combater a questão das notícias falsas, cada usuário terá a oportunidade, não só de denunciar postagens, abusos ou ofensas, mas de escolher os criadores dos conteúdos que deseja conhecer, além da plataforma ter seu próprio time de ‘verificadores de fatos’ para monitorar que a atividade nessa nova rede social é livre de violência, notícias falsas e incidentes que incitam o ódio e a polarização.

Mas o melhor de todo esse esforço é que 30% dos lucros do Openbook serão doados ao Founders Pledge, um programa sem fins lucrativos no Reino Unido, no qual os empreendedores prometem doar parte de sua renda para projetos de educação, saneamento, atenção a problemas de saúde mental e fundos para situações de emergência em todo o mundo.

“Se nos tornarmos como o Facebook, poderemos dar sustento a 20 Unicefs”, diz Hernández.

Criptografia, o ingrediente principal

A princípio, seus colegas não acreditavam que uma questão como a privacidade fosse tão importante, e até lhe asseguraram que sua ideia estava fadada ao fracasso porque “as pessoas não sabiam o que era privacidade”.

Mas, depois de filtração de dados de mais de 80 milhões de usuários da empresa Zuckerberg, em uma tentativa de consultor político Cambridge Analytica por beneficiar a campanha presidencial de Trump em 2016, Hernandez decidiu criar a “rede social final” do novo regulamento europeu, que dá prioridade aos usuários e criadores de conteúdo, sem anúncios e acima de tudo, com a possibilidade de criptografar suas informações pessoais.

Esta aplicação livre e 100% móvel, permitem aos utilizadores importar todas as suas informações Facebook para evitar a perda de memórias e contatos já salvos na rede social, uma das principais armas se o empresário mexicano quer bater o ‘Data monopólio ‘quem dirige Zuckerberg.

Além de transparência absoluta no uso de informações e dados de pessoas que se registram, Hernandez tem outro ás na manga: Phil Zimmerman. Que foi o criador do PGP (Pretty Good Privacy) software de criptografia, assinatura e autenticação e um ícone de criptografia, é o principal investidor por trás do projeto, o mesmo que foi criado em menos de 4 meses por um grupo de programadores e designers digitais com 115 mil dólares obtidos de uma campanha do Kickstarter.

Redes sociais não são lugar para anúncios

A ideia surgiu há três anos, enquanto procurava a rede social mais popular do mundo, quando percebeu que “a informação e a privacidade nas redes sociais não eram mais propriedade de pessoas, mas de empresas”.

Isso, segundo Hernández, fez com que a evolução das diferentes plataformas se tornasse um ciclo vicioso em que, na realidade, nada há de novo em suas atualizações, nem nas novas funções que elas apresentam.

“Eles abusam. Saber onde e quem você é, o que você quer, o que você gosta eo que não “diz Hernandez Forbes México e diz que o problema da inteligência artificial do Facebook é que” aprender, mas você não pode desaprender”, que tem incentivado o espaço digital foi transformado em um lugar onde reinam a morbidade e o sensacionalismo.

“Se você viu um vídeo em que você foi marcado ou enviado para você, a partir desse momento você é condenado a ver esse tipo de conteúdo no seu feed de notícias”, diz Hernández.

Dicas: os novos gostos

Mas a primeira pergunta que vem à mente quando esse empreendedor garante que vai deixar de fora os anunciantes e a venda de dados pessoais para fins de publicidade e direcionamento de campanhas para as empresas, é o modelo de negócios que será implementado para então fazer essa ideia uma empresa real.

A resposta também inclui tecnologia: criptomoedas.

Os usuários podem fazer transações digitais neste aplicativo, iniciar ‘desafios da internet’, fazer upload de fotos, compartilhar estados, comentar e em geral tudo o que as pessoas fazem nas redes sociais.

Instagram, Twitter, Snapchat, Tumblr, Facebook, LinkedIn, Flickr, Reddit, YouTube, entre muitos outros, será uma coisa do passado para se tornar uma única plataforma onde os usuários podem interagir uns com os outros em chatrooms com realidade aumentada, comprar, pagar e vender produtos através de um sistema de inventários e recibos, baseado em uma única moeda digital chamada ‘Tip’, também criada pelo mexicano.

No momento, o aplicativo está disponível em uma versão beta com uma comunidade de cerca de 1.500 usuários e será lançado oficialmente em fevereiro de 2019, onde espera registrar até 15.000 pessoas e no primeiro mês chegar a 100.000 usuários.

Os idiomas em que é possível fazer o download até hoje são inglês, francês, espanhol e alemão, e Hernandez assegurou que eles ainda estão trabalhando no desenvolvimento do mesmo em mandarim, para entrar na China, que apresenta grandes desafios antes do censura que existe no país asiático, mas ao mesmo tempo é uma grande vantagem por causa de seu mercado robusto.

Nesse sentido, o empreendedor de vinte anos garante que, para quebrar qualquer limite em questões de disseminação de conteúdo, é necessário oferecer acesso ao usuário a partir dos servidores em seu próprio país, a fim de evitar que a tecnologia seja bloqueada.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Para você que está procurando Bolsa de Estudo, temos bolsas de até 75% em mais de 1.200 faculdades de todo o Brasil. Encontre a sua Bolsa de Estudo clicando aqui.