Aqueles que conseguem se adaptar são duas a três vezes mais propensos a expressar confiança na capacidade de gerenciamento de risco de novas tecnologias, como inteligência artificial (IA) e a Internet das Coisas (IoT).

Eles também são mais propensos a esperar o crescimento de receita. Essas organizações superam as menos eficazes em várias áreas. Um fator é que seu nível de influência sobre a tomada de decisões sobre inovação, incluindo a implementação de novas tecnologias para desenvolver novos produtos (57% versus 18% de não adaptadores). Outra é que sua função de gerenciamento de risco traz um valor significativo (58% versus 18%).

Em uma pesquisa citada no ZDnet, foram mais de 1.500 executivos que participaram em 76 países, de outubro de 2017 a dezembro de 2017. Mais da metade dos profissionais (60%) gerenciam o risco de inovação “muito efetivamente” ou “com alguma eficácia”. Ou seja, a chave para ter sucesso nesse ambiente instável é ser um adaptador.

As organizações estão adotando o potencial das tecnologias emergentes, como big data , IA e IoT, mas a gestão de risco é frequentemente negligenciada durante períodos de inovação, disse Jason Pett, líder da prática de Garantia de Risco dos EUA da organizadora da pesquisa PwC. Os adaptadores são a exceção, disse Pett, porque estão enfrentando riscos de maneira diferente e têm maior probabilidade de sucesso no ambiente de negócios.

O relatório PwC descreveu cinco distinções que separam adaptadores e não adaptadores. Uma é que os adaptadores se envolvem no início do “ciclo de inovação”. Eles são duas vezes mais propensos que os não-adaptadores a aconselhar sobre atividades inovadoras antes do estágio de planejamento, de acordo com a pesquisa.

Outra é que eles usam várias ações para abordar sua exposição ao risco de novas iniciativas. Os adaptadores costumam usar quatro ou mais ações – variando de revisar objetivos e estratégias a compartilhar o risco.

Terceiro, os adaptadores freqüentemente ajustam seu grande apetite e tolerância ao risco. Eles fazem isso com mais frequência quando criam novos produtos fora de suas principais ofertas e implementam novas tecnologias.

Além disso, os adaptadores aproveitam novas habilidades, competências e ferramentas para apoiar a inovação. Enquanto 58% dos adaptadores relatam que estão reforçando seus recursos de gerenciamento de risco adicionando novas habilidades, apenas 39% dos não-adaptadores planejam fazer isso.

Por fim, os adaptadores monitoram e avaliam a eficácia do gerenciamento de riscos de várias maneiras. Mais da metade (51%) deles usam partes externas para avaliar suas capacidades de gerenciamento de risco, enquanto apenas 27% dos não-adaptadores estão monitorando sua eficácia dessa maneira.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários