Pesquisadores do Instituto Avançado de Ciência e Tecnologia da Coreia (KAIST) e da Universidade de Washington, em Seattle, projetaram um dispositivo que pode manipular as células do cérebro com um smartphone. A invenção tem a capacidade de controlar circuitos neurais usando um minúsculo implante cerebral controlado por um smartphone.

Um dispositivo neural sem fio

“O dispositivo neural sem fio permite a neuromodulação química e óptica crônica que nunca foi alcançada antes”, disse o autor principal, Raza Qazi, pesquisador do KAIST e da Universidade do Colorado em Boulder.

O novo dispositivo tem a capacidade única de ver neurônios específicos de interesse, utilizando fármaco e luz durante períodos prolongados. Esta é uma grande melhoria em relação aos métodos convencionais muito utilizados pelos neurocientistas.

Aqueles empregavam tubos rígidos de metal e fibras ópticas para fornecer drogas e luz, limitando os movimentos da pessoa e até causando lesões no tecido cerebral mole ao longo do tempo. Os cientistas, portanto, tiveram que encontrar uma solução melhor, especialmente para o fornecimento de medicamentos a longo prazo.

No entanto, a fim de garantir a entrega crônica de medicamentos sem fio, os cientistas também tiveram que resolver a questão do esgotamento e evaporação de drogas. Os pesquisadores conceberam um dispositivo neural com um cartucho de medicamento substituível.

Cartuchos semelhantes a LEGO

Estes foram descritos como cartuchos semelhantes a LEGO que foram montados em um implante cerebral para camundongos controlados por um smartphone. Melhor ainda, eles são alimentados por  bluetooth de baixa energia.

“Esse dispositivo revolucionário é fruto do projeto avançado de eletrônica e da poderosa engenharia de micro e nanoescala”, disse Jae-Woong Jeong, professor de engenharia elétrica da KAIST. “Estamos interessados ​​em desenvolver ainda mais essa tecnologia para fazer um implante cerebral para aplicações clínicas”.

“Isso nos permite ver melhor a base do circuito neural do comportamento, e como neuromoduladores específicos no cérebro ajustam o comportamento de várias maneiras”, acrescentou Michael Bruchas, professor de anestesiologia e medicina da dor e farmacologia na Universidade de Washington School of Medicine. “Também estamos ansiosos para usar o dispositivo para estudos farmacológicos complexos, o que poderia nos ajudar a desenvolver novas terapias para a dor, o vício e os distúrbios emocionais”.

Oa pesquisadores acreditam que a invenção, pode realmente beneficiar a descoberta do cérebro e suas muitas doenças, como Parkinson, Alzheimer, dependência, depressão e dor. O estudo foi publicado na Nature Biomedical Engineering.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários