Enquanto o mundo luta com a devastadora pandemia de coronavírus, está fazendo muito pouco para se preparar para pandemias futuras, possivelmente ainda mais prejudiciais, alertou um monitor de saúde global.

Em um novo relatório, o Global Preparedness Monitoring Board (GPMB), um órgão independente criado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Banco Mundial, lamentou que a pandemia de coronavírus revelou o quão pouco o mundo se concentrou na preparação para tais desastres, apesar de amplos avisos de que grandes surtos de doenças eram inevitáveis.

“A pandemia de COVID-19 está fornecendo um teste severo de preparação do mundo”, disse o relatório, concluindo que pouco progresso havia sido feito em qualquer uma das ações que havia pedido em seu relatório inicial no ano passado, antes da COVID-19 atacar.

“Deixar de aprender as lições da COVID-19 ou de agir sobre elas com os recursos e empenho necessários significará que a próxima pandemia, que certamente virá, será ainda mais prejudicial”, alertou.

Gro Harlem Brundtland, co-presidente do GPMB e ex-chefe da OMS, enfatizou durante o lançamento virtual do relatório que o conselho havia alertado há um ano que o mundo estava mal preparado para uma pandemia.

“Tragicamente e catastroficamente, vimos nossos piores medos serem realizados”, disse ela.

“O impacto da COVID-19 é ainda pior do que prevíamos, mas as ações que solicitamos no ano passado ainda não foram tomadas.”

O relatório surge no momento em que o número global de mortes causadas pelo novo coronavírus se aproxima da marca de um milhão, entre os quase 30 milhões de casos conhecidos desde que a COVID-19 surgiu pela primeira vez na China no ano passado.

Pânico e abandono

Brundtland, também ex-primeira-ministra norueguês, insistiu que era hora de quebrar o “ciclo de pânico e abandono” que desencadeou as consequências “catastróficas” da COVID-19.

O Conselho de Monitoramento de Preparação global está novamente pedindo ampla cooperação global e financiamento significativo de longo prazo para preparação e prevenção de pandemias.

Instou a ONU, a OMS e instituições financeiras internacionais como o Banco Mundial a convocar uma cúpula sobre a emergência global de saúde, com o objetivo de chegar a um acordo sobre uma estrutura internacional para preparação e resposta a emergências.

A estrutura deve incluir, entre outras coisas, um “mecanismo” para garantir “financiamento sustentável e previsível na escala necessária”, disse Brundtland.

“O retorno sobre o investimento na preparação para uma pandemia é imenso”, disse ela, apontando que “as estimativas do custo da prevenção e preparação são medidas em bilhões de dólares, mas o custo de uma pandemia é medido em trilhões”.

O atual chefe da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, concordou, dizendo ao evento virtual que “gastar com saúde e preparação não é caridade. É um investimento em nosso futuro”.

Não investir na preparação, disse ele, é “como se esperássemos a queda do avião e depois convocássemos mais inspeções de segurança; esperamos até a cidade pegar fogo e, então, decidimos que precisamos de um corpo de bombeiros”.

Tedros sublinhou que COVID-19 “não será a última pandemia, nem a última emergência global de saúde”.

“Cada dia em que ficamos parados e não fazemos nada é um dia que nos aproxima da próxima emergência global de saúde, seja de um surto de doença, mudança climática ou um desastre natural”, disse ele.

“Não sabemos qual será a próxima emergência global de saúde, mas sabemos que virá e devemos estar preparados.”

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário.