Cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) descobriram um novo mineral nunca antes visto na natureza, que eles chamaram de edscottita. O mineral também foi encontrado dentro de um meteorito, de acordo com o jornal australiano ‘The Age’.

O mineral foi descoberto após um exame minucioso do meteorito Wedderburn, um pedaço de metal do tamanho de um limão encontrado nos arredores de Wedderburn (Austrália) em 1951, e agora parte da coleção do Victoria Museum.

Ao longo dos anos, cientistas de todo o mundo, com o desejo de estudar o meteorito, obtiveram partes do material, a ponto de apenas 71 gramas da rocha original (de 220 gramas) ainda serem preservadas dentro do museu.

Uma equipe da Caltech conseguiu obter uma parcela em 2018, para ver se continha minerais raros. Dentro do meteorito, imprensado entre outras camadas de minerais, os pesquisadores descobriram uma fina tira de um novo material que, sob a lupa de um microscópio, lembrava pequenos cristais brancos.

E eles descobriram que o mineral era feito de átomos de ferro e carbono misturados em um determinado padrão. Este novo mineral foi chamado edscottita, em homenagem a Edward Scott, um cosmoquímico pioneiro da Universidade do Havaí.

“Este meteorito tinha muito carbono. E, à medida que esfriava lentamente, ferro e carbono se uniram e formaram esse mineral ”, explica Stuart Mills, curador sênior de geociências dos Museus Victoria, para The Age.

Embora os cientistas tenham encontrado edscottita antes em fundições (uma das fases que o ferro passa quando derrete em aço), eles nunca a viram se originar naturalmente.

“Descobrimos entre 500.000 e 600.000 minerais em laboratório, mas menos de 6.000 que a natureza fez por si mesma”, detalha Mills.

Origem: o núcleo de outro planeta

Os pesquisadores acreditam que o mineral, vermelho e preto, provavelmente foi forjado no núcleo derretido de um planeta antigo há muito destruído, o que é extremamente raro.

De acordo com Geoffrey Bonning, cientista planetário da Universidade Nacional da Austrália, o sistema solar começou como poeira emitida por estrelas mortas há muito tempo. Essa poeira girou no espaço até que a gravidade finalmente começou a uni-la, pouco a pouco. Esses pedaços se tornaram cada vez maiores, formando primeiro grãos de areia, depois grandes pedaços e depois asteróides com um quilômetro de largura. Finalmente, esses asteróides se uniram para formar planetas.

“Todas as rochas, em certa medida, são um pouco radioativas”, diz Bonning. Então, este planeta começa a derreter por dentro. ” Assim, os cientistas argumentam que o metal quente teria penetrado no núcleo do planeta e foram calor e pressão que geraram minerais como a edscottita.

Mais tarde, em algum momento, o planeta foi destruído. Provavelmente foi atingido por outro planeta, uma lua ou um grande asteróide, diz Bonning, acrescentando que muitos planetas foram criados e destruídos nos primeiros dias do sistema solar.

E os detritos de colisão se espalharam por todo o sistema solar, muitos dos quais acabaram no cinturão de asteróides entre Marte e Júpiter. O meteoro de Wedderburn circulou lá por alguns milhões de anos, antes que uma colisão acidental o enviasse à Terra.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário.

Temos diversas bolsas de estudo em mais de 1.200 faculdades de todo país, confira aqui: https://engenhariae.com.br/bolsas-estudo