O estudante de pós-graduação, Edward Molter, estava tomando leituras de Urano quando ficou surpreso ao ver o brilho de seus anéis que envolvia o mesmo.

“Eu estava apenas tentando imaginar o planeta da melhor maneira que pude e vi os anéis. Foi incrível”, disse o estudante Edward Molter à Phys.org.

Ao contrário de Saturno, os anéis de Urano só são visíveis através dos maiores telescópios. Eles são tão difíceis de ver que eles só foram descobertos em 1977. Esta nova visão de calor nos ajuda a entender melhor o planeta.

Apesar disso, eles mostram um brilho surpreendente nas novas imagens de calor, tornando-as mais visíveis do que antes. As imagens foram tiradas por dois grandes telescópios nos desertos do Chile – o Atacama Large Millimeter / submillimeter Array (ALMA) e o Very Large Telescope (VLT).

Essas imagens permitiram que uma equipe medisse a temperatura dos anéis de Urano pela primeira vez. Eles mostraram um 77 Kelvin, isto é, 77 graus acima do zero absoluto. Esta é a temperatura de ebulição do nitrogênio líquido e o equivalente a 320 graus abaixo de zero Fahrenheit.

“Os anéis de Saturno, principalmente gelados, são largos, brilhantes e têm uma faixa de tamanho de partículas, desde poeira do tamanho de micron no anel D mais interno, até dezenas de metros de tamanho nos anéis principais”, disse o professor de astronomia da UC Berkeley, Imke Pater. “A extremidade pequena está faltando nos anéis principais de Urano; o anel mais brilhante, o épsilon, é composto de rochas do tamanho de bolas de golfe ou pouco maiores.”

Os anéis poderiam ter sido antigos asteróides que foram capturados pela gravidade do planeta, luas que colidiram umas com as outras, ou restos remanescentes do tempo de formação, cerca de 4,5 bilhões de anos atrás.

As novas descobertas foram publicadas no The Astronomical Journal desta semana.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.