Mais de um em cada dez bebês nascem cedo demais. Pequenos e frágeis, eles precisam ser mantidos aquecidos e monitorados de perto, geralmente em uma incubadora de hospital.

É algo muito comovente: um bebê prematuro e vários fios ligados a ele. Mas um novo sistema de monitoramento poderia tornar desnecessários todos esses cabos. Seria necessário apenas dois sensores muito finos, que ocupam alguns centímetros de largura e são colocadas no peito e no pé do bebê.

Os dispositivos, desenvolvidos por uma equipe interdisciplinar da Northwestern University (EUA), se assemelham a fitas transparentes e contêm sensores que controlam todos os sinais vitais do bebê. Eles representam o primeiro sistema de controle neonatal que não requer cabos ou baterias.

Graças a pequenos chips de comunicação integrados, todos os dados necessários podem ser coletados e processados ​​antes de enviá-los para dispositivos externos via Bluetooth. Os sensores dependem da transferência de energia sem fio para ficarem carregados.

O sistema já foi testado em mais de 60 bebês em dois hospitais em Chicago (EUA). Eles carregavam os sensores junto com os sistemas de controle tradicionais, para que uma comparação direta pudesse ser feita. O sistema sem fio forneceu a mesma funcionalidade e dados de forma igualmente precisa e correta, de acordo com um documento publicado na Science.

De fato, ele pode permitir um controle ainda mais preciso do que os sistemas atuais, diz o líder da parte de engenharia, John Rogers. Isso ocorre porque os patches são menos propensos a produzir erros de dados que podem ser causados ​​por cabos sendo puxados quando o bebê se move.

A falta de cabos também facilitará muito a alimentação e limpeza dos bebês, mas, mais importante, permitirá o contato pele a pele com os pais, o que, de acordo com um crescente corpo de evidências, é extremamente benéfico tanto para o bebê quanto para os pais.

“Imagine um recém-nascido em estado crítico, já que seus pulmões e coração não funcionam bem. Pense em uma medicação que estabilize, melhore sua frequência cardíaca, aumente sua dieta e reduza a hospitalização, sem custo ou efeitos colaterais. É o contato pele a pele”, explica um dos membros da equipe de pesquisa, o dermatologista Steve Xu.

Outro fator foi a necessidade de reduzir as lesões cutâneas, que os bebês prematuros tendem a sofrer devido aos fortes adesivos utilizados para manter os cabos e as máquinas em boas condições. “Até 15% de toda a sua pele sofre todos os dias por isso. Essa tecnologia é muito mais segura para esses bebês “, diz Xu.

A equipe obteve fundos da Fundação Bill e Melinda Gates para começar a implementar essa tecnologia na Zâmbia a partir de abril. Embora benéfico em países onde as incubadoras estão amplamente disponíveis nos hospitais, os sensores podem ser verdadeiramente transformadores nos países onde eles não estão, diz Rogers. Lá, o contato pele a pele que eles facilitam pode ajudar a estabilizar a temperatura do bebê.

Até o final do ano, espera-se que os sensores tenham sido usados ​​em 20.000 bebês prematuros na Zâmbia, ajudando a refinar ainda mais o sistema e, mais importante, salvar vidas.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.