Imagine que você pudesse atingir o alvo perfeito, mas teria que usar óculos para fazer isso. Essa é uma troca que alguns viajantes espaciais podem involuntariamente fazer quando se aventuram fora do planeta Terra.

Um estudo examinou os cérebros de oito cosmonautas russos do sexo masculino, cerca de sete meses depois que eles retornaram de longas missões à Estação Espacial Internacional.

Os pesquisadores descobriram pequenas mudanças nos cérebros dos cosmonautas que sugeriam que os homens eram mais hábeis, mas tinham uma visão ligeiramente mais fraca.

“Na verdade, eles adquiriram algum tipo de nova habilidade motora, como andar de bicicleta”, disse Steven Jillings, o principal autor do estudo, ao Business Insider.

Os pesquisadores usaram um tipo de ressonância magnética para produzir imagens 3D do cérebro dos cosmonautas.

As varreduras mostraram um aumento da quantidade de tecido no cerebelo: a parte do cérebro responsável pelo equilíbrio, coordenação e postura (mostrado em verde na animação abaixo).

Animação de Steven Jillings e Ben Jeurissen usando MRtrix3. (Universidade de Antuérpia)

Mas as varreduras também mostraram que as pessoas que vivem no Espaço podem acabar tendo problemas para enxergar de perto. Ambas as mudanças podem ser potencialmente duradouras.

Mudanças nas habilidades motoras após a viagem espacial

Qualquer cérebro humano, tenha estado no Espaço ou não, pode se adaptar a novos ambientes e experiências. Muitos atletas, por exemplo, adquirem habilidades motoras específicas diretamente relacionadas ao seu esporte.

“Se você fizesse um estudo de ressonância magnética em que comparasse pessoas normais a atletas ou pessoas que realmente usam suas habilidades motoras, como jogadores de dardos, por exemplo, você imaginaria encontrar mudanças no cerebelo”, disse Jillings. “Não é só porque eles treinaram uma vez e depois muda e volta. Na verdade, é algo que permanece no cérebro.” Continua Jillings.

Em média, os cosmonautas russos no estudo passaram seis meses a bordo da estação espacial. Os pesquisadores esperavam ver mudanças temporárias nos cérebros dos cosmonautas, mas ficaram surpresos ao descobrir que as habilidades motoras aprimoradas ainda existiam vários meses depois de retornarem à Terra.

“A dificuldade em estudar esses cosmonautas é que você realmente não tem uma referência – nada na Terra que realmente possa ser comparado”, disse Jillings. “É possível que, quando eles forem para a próxima missão, eles sejam capazes de se adaptar mais rapidamente.”

Os cérebros mudam no Espaço, resultando potencialmente em visão turva

Muitos estudos anteriores revelaram que os astronautas experimentam mudanças físicas na microgravidade, incluindo perda muscular e óssea.

Astronautas e cosmonautas da ISS normalmente se exercitam mais de duas horas por dia para combater esse processo. Eles também podem se sentir desorientados ou enjoados enquanto seu corpo se ajusta a um ambiente sem gravidade.

Uma diferença importante entre a vida no Espaço e na Terra é que nosso sangue e fluidos corporais normalmente se movem contra a força da gravidade, enquanto no Espaço os fluidos corporais dos astronautas se movem para cima.

O novo estudo descobriu que a microgravidade faz com que o cérebro também se desloque para cima. Isso, por sua vez, redistribui os fluidos nos quais o cérebro flutua.

Jillings disse que seu estudo encontrou evidências de que o fluido pode se acumular atrás do olho, causando inchaço. Isso pode prejudicar a visão de perto dos astronautas, resultando em uma condição chamada síndrome neuro-ocular associada a voos espaciais.

Uma pesquisa de 2012 descobriu o mesmo efeito entre muitos astronautas da NASA – até 60% dos estudados disseram que estavam vendo com menos clareza a bordo da ISS. A NASA até transporta óculos de grau para o espaço, caso a visão de um astronauta mude.

Mas Jillings disse que ainda há mais a aprender sobre esse fenômeno, especialmente porque nem todos os astronautas ou cosmonautas voltam à Terra com visão ruim, e a maioria dos astronautas estudados só desenvolveu problemas de visão em um olho. Alguns também recuperam a visão logo após retornar à Terra.

Além do mais, muitos cosmonautas russos têm uma visão extremamente nítida para começar, então, mesmo depois de completarem uma temporada no espaço, sua visão ainda é normal em comparação com uma pessoa média.

“O fato de vermos uma pequena diminuição provavelmente significa que existem alguns efeitos comuns a todas as pessoas que passam seis meses no espaço”, disse Jillings.

Os cientistas ainda estão tentando determinar o grau em que a deficiência visual pode ser permanente.

Um estudo de abril da Universidade do Texas descobriu que o inchaço no cérebro dos astronautas persistia um ano após seu retorno à Terra. Mas Jillings disse que não há estudos de acompanhamento de longo prazo para ver quanto tempo a condição realmente dura além disso.

“Não existem muitos estudos que investiguem os cérebros dos astronautas”, disse ele.

No geral, acrescentou Jillings, é uma boa notícia que seu estudo não detectou nenhum efeito sério sobre a saúde relacionado às viagens espaciais.

Estudos anteriores, em contraste, sugeriram que a radiação no Espaço poderia levar à neurodegeneração, o que pode acelerar o desenvolvimento da doença de Alzheimer entre os astronautas.

“Não encontramos nenhuma evidência de alterações prejudiciais ao cérebro”, disse Jillings. “Na verdade, é mais uma adaptação.”

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário.