A menos que você goste de tipografia ou tenha um hobby com letras à mão, provavelmente terá dificuldade em dizer qual das formas acima do ‘G’ minúsculo está correta (se você estiver vendo esse texto, está trapaceando).

Tudo bem. Acontece que a maioria das pessoas está no mesmo barco – e isso tem implicações malucas na maneira como pensamos sobre nossa capacidade de ler e escrever.

O pensamento padrão em psicologia diz que nossa habilidade de leitura está diretamente ligada à nossa capacidade de reconhecer letras. Portanto, seria de esperar que tivéssemos um conhecimento super detalhado de cada letra, a cada redemoinho e loop.

Digite a letra minúscula ‘g’ e essa ideia se desfaz.

Veja bem, há mais de uma maneira de imprimir esta letra, e não estamos falando de diferenças provocadas por peculiaridades de escrita manual.

Na tipografia moderna, existem duas maneiras padrão pelas quais o ‘g’ minúsculo pode ser modelado – aqui está uma foto deles lado a lado:

Agora, o opentail não causa dores de cabeça, pois é semelhante ao que as pessoas que usam o alfabeto latino são ensinadas a escrever na escola.

É a versão em loop desta letra que assusta as pessoas – não só muitos não percebem que existem duas formas distintas de impressão, como também têm dificuldade em lembrar qual é a forma correta e a maioria não consegue desenhá-la, mesmo quando sabe como deve ser.

Essas foram as descobertas de uma equipe de cientistas cognitivos da Universidade Johns Hopkins, que testou a consciência das pessoas sobre formas contrastantes de letras em uma série de três experimentos.

No primeiro, 38 participantes recrutados no grupo de estudantes da universidade foram convidados a fazer uma série de perguntas sobre o conhecimento de letras com formas diferentes – com resultados surpreendentes.

“Apesar de serem questionados repetidamente e de serem informados diretamente de que G tem duas formas de impressão em letras minúsculas, quase metade dos participantes não revelou nenhum conhecimento do looptail ‘g’, e apenas 1 dos 38 participantes conseguiu escrever looptail ‘g ‘corretamente “, disse a equipe no estudo.

Para acompanhar essa aparente falta de conhecimento de letras, a equipe fez um segundo experimento no qual 16 novos participantes tiveram que ler um parágrafo, atendendo especificamente a todas as aparências em minúsculas ‘g’ – impressas no estilo looptail.

Uma vez retirado o texto, os participantes foram solicitados a escrever a letra ‘g’, conforme aparecia no texto que acabavam de ler.

Novamente, apenas um conseguiu fazê-lo corretamente. Metade deles pensaram ter visto a versão opentail, e uma até ficou atrevida com isso.

“Um participante parecia pensar que escrever ‘g’ era a única resposta concebível à tarefa: quando lhe pediram para escrever o G que vira, ela disse: ‘Isso é estúpido'”.

No terceiro experimento, os pesquisadores tornaram a coisa ainda mais direta: 44 novos participantes tiveram que escolher a forma correta de um looptail ‘g’ ou de dois andares ‘a’.

Sim. A maioria deles escolheu totalmente o ‘g’ errado:

“O que achamos que pode estar acontecendo aqui é que aprendemos as formas da maioria das letras em parte porque precisamos escrevê-las na escola”, disse o autor do estudo, o cientista cognitivo Michael McCloskey.

“Looptail ‘g’ é algo que nunca aprendemos a escrever, por isso não aprendemos sua forma também.”

Segundo a equipe, essas descobertas apóiam a idéia de que não aprendemos realmente as letras até os mínimos detalhes, mas apenas o suficiente para que possamos diferenciá-las.

Além disso, descobrir essas discrepâncias mostra que ainda não sabemos muito sobre como as pessoas percebem o mundo ao seu redor – mesmo quando se trata de algo tão incrivelmente comum quanto as letras.

“E as crianças que estão apenas aprendendo a ler? Elas têm um pouco mais de dificuldade com essa forma de g porque não foram forçadas a prestar atenção e escrever?” disse McCloskey.

“Isso é algo que realmente não sabemos. Nossas descobertas nos dão uma maneira intrigante de analisar as questões sobre a importância da escrita para a leitura”.

O estudo foi publicado no Journal of Experimental Psychology: Human Perception and Performance.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.