Um dia depois de outro acidente com o Boeing 737, desta vez um Boeing 737-800 da Ukraine International Airlines que caiu logo após decolar do Irã, a Boeing e a Administração Federal de Aviação começaram a convocar os pilotos da aeronave a passarem por treinamento em simulador.

Esse treinamento será necessário antes que um piloto possa pilotar o 737 Max novamente.

“A segurança é a principal prioridade da Boeing”, disse Greg Smith, CEO interino da Boeing, em comunicado em seu site em 7 de janeiro. “A confiança do público, dos clientes e das partes interessadas no 737 MAX é extremamente importante para nós e com esse foco, a Boeing decidiu recomendar o simulador MAX”.

Os requisitos do simulador serão caros para a Boeing

De acordo com relatos da mídia, a decisão da Boeing de exigir treinamento em simulador será cara para a empresa e provavelmente resultará em um atraso adicional do retorno do 737 Max aos céus.

A ação foi suspensa em março passado, após dois acidentes que deixaram 346 mortos. A Boeing disse no final de 2019 que estava interrompendo a produção do avião por enquanto.

Outros problemas com o 737 Max?

O último acidente ocorreu no momento em que surgiram relatos de que a Boeing identificou outro problema com o 737 Max enquanto o avião passava por uma auditoria da FAA. Foi então que a Boeing descobriu problemas com a fiação que poderia causar um acidente.

De acordo com o New York Times citando um engenheiro sênior da Boeing e três outros familiarizados com o assunto, a Boeing disse à FAA que está investigando a proximidade de duas seções de fios entre si. Os fios controlam a cauda do avião e, devido à proximidade, podem criar uma situação em que há um curto-circuito. O jornal observou que isso poderia levar a um acidente se os pilotos não reagissem a um curto-circuito da maneira correta.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.