Um novo tipo de ímã desempenha suas próprias regras. Ímãs de geladeira comuns são feitos de pequenas partículas, cujo magnetismo está alinhado em uma direção para criar um campo magnético. A direção do magnetismo para cada uma das partículas é chamada de momento magnético.

Alguns materiais não têm momentos magnéticos porque estão no chamado estado singleto – em física teórica, um singleto geralmente refere-se a uma representação de uma dimensão. Ele também pode se referir a duas ou mais partículas preparadas em um estado correlacionado, em que o momento angular total do estado é zero -, no qual qualquer partícula que possa criar um campo magnético é essencialmente bloqueada por uma partícula parceira.

Andrew Wray, da Universidade de Nova York, e seus colegas descobriram que um composto de urânio e antimônio pode se tornar um ímã, apesar de suas partículas estarem em estados singletos. O composto contém minúsculos pacotes de energia que não são exatamente partículas, mas têm momentos magnéticos, e na temperatura certa podem formar aglomerados que criam campos magnéticos.

A idéia de que isso poderia ser possível é de décadas, mas todas as tentativas anteriores de fazer esse tipo de ímã foram realizadas usando materiais a temperaturas extremamente baixas, o que dificultou a confirmação de que os materiais se tornariam ímãs.

“Este é o primeiro caso que podemos estudá-lo em um nível microscópico”, diz Wray. Os compostos de urânio tornaram-se magnéticos a cerca de -70°C, que é centenas de graus mais quente que os ímãs feitos em experimentos anteriores.

Eles também atingiram seu pico de magnetismo muito mais repentinamente do que muitos tipos semelhantes de ímãs, em vez de lentamente se tornarem magnéticos à medida que a temperatura diminuía.

“Isso faz com que seja bom para o armazenamento de dados digitais”, diz Wray. “Para armazenamento de dados, você quer algo rápido, mas que não custa muita energia para conseguir esse grande feito, então você pode facilmente escrever novas informações.” Completa Wray. Se a mudança de uma rocha brilhante regular para um ímã acontece rapidamente, pode reduzir o consumo de energia e aumentar a velocidade de gravação dos dados a serem armazenados.

Ainda não está pronto para ser ligado a um computador – por um lado, é feito de urânio radioativo -, mas Wray diz que esses ímãs podem ser o primeiro passo para alcançar esse magnetismo baseado em singlete em outros materiais mais robustos.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários