As fotos enviadas pelo Ingenuity permitem estabelecer estudos inéditos sobre a extensão exata de camadas de rocha, como se cada formação dessas fosse uma cápsula de tempo, por exemplo, mostrando de forma concreta as mudanças climáticas da superfície do planeta. O voo também revelou obstáculos a serem contornados na exploração à cratera de Jezero.

Tiradas de uma altura de 10 metros, as imagens coloridas do Ingenuity conseguem mostrar certos detalhes mais precisos que as fotos remetidas pelo orbitador Mars Reconnaissance, que servem normalmente para estabelecer rotas a serem seguidas em Marte. Enquanto a câmera do orbitador, a HiRISE, detalha rochas a partir de um metro de diâmetro, as fotos do helicóptero são melhores apuradas.

Em comunicado divulgado no site da NASA, o cientista do projeto Perseverance, Ken Williford, do Laboratório de Propulsão a Jata (JPL), comenta que, assim que o rover se aproxima de um determinado local a ser explorado, “obtemos imagens em escala do solo que podemos comparar com imagens orbitais”. Com a chegada do Ingenuity, está sendo possível obter imagens em escala intermediária, para completar a resolução.

Desse modo, o Ingenuity deu um show de imagens com alta resolução, mostrando diversos relevos marcianos, desde os chamados “Raise Ridges”, algo como cumes elevados, até um extenso campo de dunas, em uma região da cratera de Jezero chamada de “Séítah”. Essas regiões com areia “até os joelhos” são motivos de constantes preocupações para os motoristas do rover, que temem que o veículo venha a “atolar”.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.