Quando os EUA entraram na Segunda Guerra Mundial, precisavam de um local para realizar manutenção nas armas mais poderosas da Marinha, que estavam seguramente longe de olhares indiscretos. Escolheu um local remoto no alto deserto do leste de Idaho, perto da cidade de Idaho Falls.

Em 1949, os EUA estavam na guerra fria com a União Soviética, e esse local se transformou no Laboratório Nacional de Idaho, INL, cujas missões eram o desenvolvimento de tecnologias de reatores nucleares civis e de defesa e o gerenciamento do combustível nuclear usado.

O local de nascimento dos submarinos nucleares

Ao longo dos anos, 52 reatores nucleares foram construídos no INL para testes por várias organizações. A maioria desses reatores eram protótipos de primeiro tipo. Hoje, apenas três reatores permanecem em operação, incluindo o Advanced Test Reactor, ao qual pesquisadores nucleares vêm de todo o mundo para testar materiais e combustíveis de reatores.

Também foram criados no INL os sistemas de propulsão nuclear usados ​​nos submarinos nucleares dos EUA. Marinheiros e oficiais foram treinados sobre como operar esses sistemas. Hoje, o INL é o principal laboratório de pesquisa de energia nuclear dos EUA, ao mesmo tempo em que realiza pesquisas sobre energia alternativa e segurança cibernética.

Quatro lâmpadas acendem

Em 3 de setembro de 1948, a eletricidade foi gerada pela primeira vez por um reator nuclear no X-10 Graphite Reactor em Oak Ridge, Tennessee. Então, em 20 de dezembro de 1951, o primeiro reator do INL, o Experimental Breeder Reactor 1 (EBR-1), gerou eletricidade suficiente para acender quatro lâmpadas. Eventualmente, o EBR-1 estava produzindo eletricidade suficiente para iluminar todo o local.

Uma tonelada de urânio natural pode produzir mais de 40 milhões de kw/h de eletricidade e é o equivalente a queimar 16.000 toneladas de carvão ou 80.000 barris de petróleo.

Mas o EBR-1 tinha outro propósito além de gerar eletricidade. Foi também o primeiro reator de regeneração do mundo e o primeiro a usar combustível de plutônio para gerar eletricidade. O EBR-1 provou o princípio de melhoramento de combustível de Enrico Fermi, que mostrou que um reator nuclear poderia criar mais combustível nuclear como subproduto do que consumido, devido a nêutrons de movimento rápido que convertem urânio não fissionável em plutônio fissionável.

O EBR-1 não foi desativado até 1964, quando foi substituído pelo EBR-2. Em 1965, o EBR-1 foi declarado Patrimônio Histórico Nacional e, em 2004, foi declarado Marco IEEE. Hoje, os visitantes podem ver o EBR-1 do final de maio até o início de setembro.

Logo, preocupações de segurança foram levantadas sobre os reatores reprodutores. Um reator reprodutor usando tecnologia semelhante à EBR-1, que foi construída acima do Vale de San Fernando, na Califórnia, sofreu danos no núcleo do combustível em 1959, e acredita-se que tenha liberado iodo radioativo no ar.

Apenas um reator de matrizes entrou em operação comercial nos EUA, o Enrico Fermi 1, construído perto de Detroit, Michigan. Sofreu um colapso parcial do núcleo em 1966, e a construção de um reator reprodutor no Rio Clinch, no Tennessee, foi interrompida em 1983.

O único acidente nuclear fatal da história americana

O Laboratório Nacional de Idaho é o local do único acidente nuclear fatal na história americana. Em 1958, o Reator Estacionário de Baixa Potência (SL-1) foi construído para testar a geração de eletricidade para estações de radar militares remotas. As placas de combustível enriquecidas com urânio do reator sustentaram uma reação em cadeia nuclear que produziu calor suficiente para transformar água em vapor, gerando eletricidade.

Operadores de reatores poderiam controlar a reação nuclear aumentando ou diminuindo cinco barras de controle. Quando abaixados entre as placas, as hastes de controle absorveram nêutrons suficientes para interromper a reação em cadeia. Na noite de 3 de janeiro de 1961, após dois anos de operação bem-sucedida, o SL-1 estava sendo retomado após o encerramento anual de Natal.

Três homens estavam trabalhando no vaso de contenção, um em cima do reator e dois ao lado. Então, o homem no topo levantou uma haste de controle principal vários centímetros longe demais e levou apenas quatro milissegundos, (quatro milésimos de segundo), antes de o núcleo superaquecer e vaporizar a água ao redor. O vapor e a água subiram e o próprio reator subiu nove metros antes de atingir o teto. Presa entre o teto e o reator estava o corpo do homem que estava em cima do reator.

O corpo de bombeiros da instalação foram atender, mas ao entrar na sala de controle, seus detectores de radiação se esgotaram. Eles consultaram rapidamente os físicos de saúde que diziam que ninguém passaria mais de um minuto dentro da instalação. Os bombeiros conseguiram remover o corpo de um dos homens que estavam ao lado do reator, e eles removeram o terceiro homem, que mal respirava, e o colocaram em uma ambulância. Ele morreu mais tarde naquela noite, e a ambulância foi levada para um local remoto no deserto, e o corpo do homem estava coberto de cobertores de chumbo.

Todos os três homens foram enterrados em caixões revestidos de chumbo, e um deles está enterrado no Cemitério Nacional de Arlington, tornando seu único caixão revestido de chumbo por lá. Desde aquele acidente, a capacidade de manipular hastes de controle foi confiada exclusivamente aos computadores.

Um registro de segurança irregular

O Laboratório Nacional de Idaho tem sido o local de inúmeros lançamentos de radioatividade. Recentemente, em abril de 2018, um barril de 55 galões de “lodo radioativo” se rompeu enquanto estava sendo preparado para o transporte para a Usina Waste Isolation Pilot Plant do Novo México para armazenamento permanente.

Aquele barril fazia parte do lixo radioativo mal documentado retirado da agora fechada Unidade Rocky Flats, perto de Denver. Desconhece-se quantos desses barris são armazenados no Laboratório Nacional de Idaho, ou o que cada barril contém.

A Marinha dos EUA enviou combustível irradiado de navios nucleares para o INL, e o laboratório está lidando com toneladas de resíduos contendo elementos artificiais, os chamados resíduos transurânicos. O Departamento de Energia dos Estados Unidos prometeu transferir uma média de 2.000 metros cúbicos para um lixão especial no Novo México, mas perdeu essa meta por vários anos por causa de uma explosão subterrânea no lixão.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.