Foto de CHUTTERSNAP no Unsplash

Os principais economistas da Austrália apóiam as medidas governamentais para acelerar a transição para os carros elétricos a fim de cumprir as metas de redução de emissões.

Uma pesquisa exclusiva de 62 economistas proeminentes da Austrália – selecionados por seus pares – encontrou 51 medidas de retrocesso para impulsionar a aceitação de carros elétricos, incluindo o subsídio a estações de recarga públicas, subsidiando a compra de veículos totalmente elétricos e estabelecendo uma data para proibir o importação de automóveis com motor tradicional.

Apenas 11 se opõem a essas medidas, três deles porque preferem um imposto sobre o carbono.

Seis dos 51 que apoiaram medidas especiais disseram que o fizeram com relutância, já que sua alternativa preferida seria um preço do carbono ou um imposto sobre o carbono, em vez de subsidiar “uma alternativa entre muitas para reduzir as emissões”.

Os carros respondem por cerca de metade das emissões de transporte da Austrália, tornando-os cerca de 8% das emissões totais da Austrália.

No entanto, a adoção de veículos elétricos pela Austrália é ofuscada pelo resto do mundo.

Em uma medida, os carros totalmente elétricos representaram apenas 0,7% das vendas de carros novos na Austrália em 2020, em comparação com 5% na China e 3,5% na União Europeia.

A Austrália não tem uma indústria automobilística doméstica para proteger, o que significa que as preocupações com as políticas da indústria não precisam impedir a transição.

A Noruega planeja proibir as vendas de novos carros a gasolina a partir de 2025; Dinamarca, Holanda, Irlanda e Israel a partir de 2030; e Califórnia e Grã-Bretanha a partir de 2035.

Questionados sobre se a Austrália deveria tomar medidas para acelerar a transição, oito em cada dez dos 62 economistas selecionados pela Sociedade Econômica disseram que sim.

Os resultados representam um ponto de partida para uma profissão cujo conselho usual é evitar interferir nos mercados.

Um participante, o professor da Universidade de NSW, Gigi Foster, disse que uma questão importante precisava ser respondida para justificar a intervenção do governo: “qual é a falha do mercado aqui?”

A falha do mercado foi a poluição, impondo custos à comunidade além dos motoristas de carros convencionais e ao planeta ao elevar as temperaturas globais.

Amplo suporte: subsídios para pontos de carregamento

Se não fosse um preço de carbono, medidas que acelerassem a mudança para veículos elétricos poderiam ter o mesmo efeito.

De longe, a medida mais popular das seis apresentadas aos painelistas que apoiaram a ação do governo foi o de subsidiar pontos de cobrança públicos, com apoio de 84%.

O próximo mais popular foi remover o imposto sobre carros de luxo dos veículos elétricos. Atualmente, o imposto de 35% se aplica a carros avaliados em mais de US$69.152 e US$ 79.659 para veículos com baixo consumo de combustível.

43% apoiaram a obrigatoriedade dos pontos de carregamento em novas residências e novos parques de estacionamento. 39% apoiaram a definição de uma data para proibir a importação de carros a gasolina e diesel.

Matthew Butlin, que preside a Comissão de Produtividade da Austrália do Sul, observou que grande parte da Austrália não era urbana e dificilmente seria servida por pontos de recarga por algum tempo.

Sem medidas do governo para acelerar a instalação de estações de carregamento remotas, muitos compradores relutariam em entrar na eletricidade, mesmo que a maior parte de seu trânsito fosse nas cidades.

Quando eles estivessem em vigor, seria um bom motivo para proibir a importação de veículos a gasolina e diesel, mas não antes disso.

Outros queriam adiar a proibição da importação de carros convencionais até que a Austrália tivesse uma mistura de eletricidade com menos emissões.

Lisa Magnani, da Macquarie University, disse que, com três quartos da eletricidade da Austrália gerada a partir do carvão, os veículos elétricos geram emissões consideráveis.

Danielle Wood, do Grattan Institute, discordou, dizendo que os “efeitos de rede” justificaram a troca antecipada.

Os efeitos da rede se desenvolvem

Quanto mais pessoas trocassem, mais estações de recarga seriam construídas e os preços mais baixos dos veículos elétricos cairiam, levando mais pessoas a fazer a troca e aumentando os benefícios da descarbonização do fornecimento de eletricidade.

Quanto mais cedo a Austrália fizesse a troca, mais fácil seria obter emissões líquidas zero até 2050, sem a necessidade de um esquema do tipo “dinheiro por ferro-velho” para comprar de volta veículos poluentes.

Definir 2035 como a data para banir as importações de carros movidos a gasolina, conforme recomendado este ano pela Agência Internacional de Energia, daria aos compradores tempo para se ajustar enquanto a infraestrutura de carregamento se desenvolvia.

O especialista em impostos John Freebairn disse que os carros elétricos já são fortemente subsidiados por escapar do imposto de consumo de combustível usado para financiar estradas, apesar dos esforços de alguns estados para preencher a lacuna.

A economista da Universidade de Sydney, Stefanie Schurer, argumentou que, por outro lado, os veículos utilitários esportivos volumosos e poluentes eram efetivamente subsidiados por causa dos benefícios fiscais que atraíam quando usados ​​para o trabalho.

O ex-líder do Partido Liberal John Hewson, da Escola de Políticas Públicas de Crawford, disse que suavizar a transição se tornou urgente.

Transição suave “urgente”

Demorou apenas dez anos, de 1903 a 1913, para os Estados Unidos mudarem dos veículos puxados por cavalos para os movidos a gasolina, e a adoção da tecnologia foi mais rápida hoje, especialmente na Austrália.

Outros economistas pesquisados ​​observaram que muito poderia ser feito para reduzir as emissões prejudiciais, além da eletricidade.

Sue Richardson disse que a Austrália deveria impor limites sérios às emissões do escapamento de carros novos. A Austrália é incomum entre as nações desenvolvidas por não ter esse limite, tornando-se um mercado favorito para carros de alta emissão.

Rana Roy disse que uma abordagem melhor seria limitar o próprio transporte por meio de trabalho remoto e esforços para incentivar caminhadas e ciclismo. Os subsídios para carros elétricos podem fazer retroceder esses movimentos.

Quando as respostas à pesquisa foram ponderadas pela confiança que os entrevistados tinham nelas em uma escala de 1 a 10, o apoio a medidas especiais para impulsionar a transição permaneceu tão forte, apoiado por oito em cada dez dos economistas pesquisados.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.