Tive uma carreira bem longa como docente tanto na área de tecnologia, quanto na de ciências humanas; e também fiz minhas incursões na área de administração escolar. E sempre estive interessado em procurar aprender algoa mais a respeito de tudo o que me fosse possível para tentar melhorar como profissional. E assim tive oportunidade de visitar várias instituições de ensino, no Brasil e no exterior, e aprendi muito…

E estas andanças realmente me renderam muitos bons frutos. E gostaria de compartilhar com você, cara leitora, caro leitor, duas experiências que muito me marcaram pela criatividade, eficácia e, de certo modo, “saída da caixa”…

A primeira, na área tecnológica, pude apreciar em uma grande universidadealemã. Como já tive oportunidade de comentar, em vários “Engenharia em Pauta” anteriores, um bom engenheiro deve entender a fundo os conceitos básicos da ciência da engenharia, em seu ramo de atuação. Pois bem: na área de telecomunicações, na qual sou formado, existe um fenômeno extremamente importante, denominado “Ondas Estacionárias”. O caso é o seguinte: entre um determinado transmissor, de qualquer natureza, e a antena que deve irradiar seus sinais, existe um “cabo”, ou dispositivo similar, que é a linha de transmissão. Se as características de saída do transmissor, do cabo, e da entrada da antena não forem condizentes, a mesma não absorverá toda a potência gerada pelo transmissor, “devolvendo” parte dela ao transmissor, não só diminuindo a potência que deveria ser irradiada pela antena, como, em certas circunstâncias, até danificando o transmissor. Pois bem: na universidade citada, em todas as quartas feiras, há uma demonstração pública de um fenômeno fundamental nas telecomunicações. Na que assisti, o professor demonstrou este fenômeno com uma “linha de transmissão” equipada com pequenas lâmpadas, que acendiam ou não ao longo desta linha, quando ele provocava o “casamento” das características da antena com o restante do sistema. Fantástico! É como se pudéssemos ver as Ondas Estacionárias”! Não houve um só aluno na sala (mais de duzentos…) que não entendesse e apreendesse o fenômeno!

A segunda experiência que muito apreciei, eu a vivenciei em um renomado “college” americano. Sua direção e coordenações, sabedoras da dificuldade de desenvolver em seus alunos as atitudes e habilidades tão necessárias para o sucesso nos dias de hoje, tais como criatividade, solução de problemas complexos, iniciativa, trabalho em equipe, e assim por diante, decidiram e implantaram um sistema bem interessante e eficaz. Tal sistema, orientado por dois professores e seus monitores, em programa oficial da escola, atribui aos alunos que assim o desejarem (e são muitos…) todas as funções “periféricas”, por assim dizer, do sistema escolar, ficando afetas à diretoria e corpo docente apenas as atividades destinadas ao desenvolvimento do conhecimento, tais como aulas, seminários, laboratórios, etc. Desta forma, cabe ao StudentProgram”, como se intitula o programa, a responsabilidade de cuidar da parte desportiva, de comunicação, de recepção a visitantes, de extensão escolar, de atividades diversas para a vida escolar, e assim por diante. O resultado é extraordinário, em termos de desenvolvimento dos alunos e espírito de corpo.

Pois é, criatividade e coragem fazem parte fundamental do desenvolvimento de um sistema escolar moderno, eficaz, e bem adaptado para os dias de hoje. Tomara que este compartilhamento de duas experiências fantásticas que vivenciei, em minhas andanças, possa inspirar novos ares na área educacional!

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.