Muitas vezes temos tratado do tema “criatividade” nessa conversa semanal. Vários são os motivos: é um assunto legal e necessário, pois sem esse nosso atributo natural provavelmente não teríamos sobrevivido como espécie, e seguramente não estaríamos onde estamos hoje em termos de progresso… E vai ser ela que nos poderá proteger no futuro distante em relação aos danos que nós mesmos, infelizmente, estamos causando ao nosso lar planetário…E mesmo no dia a dia, a toda hora estamos utilizando-a nas nossas lides profissionais, sociais e familiares, não é?

Saber onde ela “mora”, portanto, é bem interessante, pois estamos vivendo em uma sociedade individualista, rotineira, às vezes até cansativa… E, por outro lado, temos uma natural tendência de nos acomodarmos e “deixarmos rolar” nosso modo de viver e de fazer as coisas. E como é difícil sair da rotina!

Todos os estudos a respeito nos indicam que nosso cérebro, nosso “hiper computador pessoal”, na realidade é constituído de “dois” que trabalham em conjunto para orientar e manter nossa vida e nos ajudar a fazer tudo de que necessitamos. Um deles faz o trabalho rotineiro, por assim dizer, e o outro é o que nos permite ter ideias criativas, muitas vezes distantes de nossas rotinas, mas que podem aflorar até durante elas. Isso porque nosso cérebro é dividido em duas partes, ou hemisférios, respectivamente direito e esquerdo. O hemisfério esquerdo é o responsável pelo intelecto, e é onde ocorrem os pensamentos analíticos, diretos, calculados, lineares, sequenciais, objetivos, dominantes – nós, engenheiros, o utilizamos costumeiramente, e muito… Já no hemisfério direito concentra-se a intuição, e é ele que gera o pensamento não convergente; além disso, ele é metafórico e imaginativo, então procurando não se concentrar apenas em um só objeto ou assunto, mas sim no todo das coisas – os artistas, empreendedores, rebeldes, etc., estão por aí…

Em nosso trabalho e na vida do dia a dia, o hemisfério esquerdo trabalha intensamente, é claro… Afinal, temos que resolver várias coisas, muitas vezes quase ao mesmo tempo, não é? E aí o hemisfério direito fica timidamente escondido, às vezes querendo se manifestar, mas de certo modo receoso, pois todos em volta estão utilizando os seus hemisférios esquerdos. Afinal, é trabalho, muitas vezes rotineiro e pesado…

No entanto, a criatividade prefere morar no hemisfério direito, pois ele  trabalha no modo intuitivo, livre, solto e divergente. Em uma pesquisa a respeito, foi perguntado a 10.000 pessoas onde obtinham suas melhores ideias, e a resposta foi interessante, já que as pessoas passam grande parte de suas vidas no trabalho… É que elas relataram que, no trabalho, só 3% tinham as melhores ideias; mas 97% relataram terem suas melhores ideias em atividades lúdicas, ou mesmo não fazendo nada…

Portanto, para exercermos mais criatividade precisamos “bater na porta” do hemisfério direito, o intuitivo e imaginativo, fazer amizade com ele, e o colocarmos para conviver harmonicamente com o hemisfério esquerdo, o racional. Mas para isso acontecer, temos que fazer o hemisfério direito nos receber, o que ele só fará se o convidarmos para trabalhar com as coisas das quais ele gosta, como  brincar, imaginar, observar o todo, questionar – enfim, trabalhar livremente. 

Na próxima semana, neste espaço, podemos avançar neste assunto, dando dicas de como conviver bem com o hemisfério direito, com isso obtendo grandes melhorias em nossa criatividade? Até lá, então…

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.