Em um ambiente inovador, existem algumas regras de tal importância que passam a ser consideradas quase como “mandamentos”. Elas podem ser resumidas nos famosos “Faça”, de Peter Drucker (1), enunciados e comentados abaixo:

Os “Faça”

  • A inovação começa com a análise das oportunidades, de modo organizado e sistemático; 

Não se começa a inovar a partir do nada, ou baseado no “achismo” do inovador, mas sim a partir de um detalhado estudo das necessidades a atender, através de uma boa pesquisa, uma observação atenta, etc.

  • A inovação deve ser tanto conceitual (dentro de conceitos estabelecidos…) quanto perceptual (deve ser percebida…);

Não adianta criar uma inovação cujo valor agregado não seja prontamente percebido pelos seus usuários, ou claramente percebido dentro de seu “mundo” do dia a dia. Por exemplo: em nosso clima tropical, no verão, um boné com um ventilador para o rosto alimentado por uma célula fotovoltaica seria motivo de gozação – mas existe e é usado em climas desérticos…

  • Ela deve ser simples e “concentrada” (fazer apenas uma coisa…);

É uma tentação: com tantos recursos tecnológicos, uma inovação que possa realizar muitas tarefas é relativamente fácil de ser implementada… Mas pode gerar desconfiança e desuso – aliás, nem temos muito gosto em ler extensos manuais para aprender a usá-la em todas as possibilidades.

  • Deve começar pequena, fazendo uma coisa específica; 

Concentrar-se na utilização final, no core da inovação, é fundamental.  A telefonia celular começou apenas possibilitando ligações telefônicas – a necessidade inicial a ser satisfeita era permitir a comunicação de qualquer ponto para qualquer ponto, em qualquer lugar, sem fios…

  • Ela sempre deve visar a liderança. 

E para onde caminhou (e ainda caminhará…) a telefonia celular? Sem comentários…

Referência:

  • Drucker, Peter F. Inovação e Espírito Empreendedor (Entrepreneurship) – Prática e Princípios” – Livraria Pioneira Editora, São Paulo, 5ª edição.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Imagem de Shutterstock