Pois é… Tecnologias disruptivas em ação, muitas coisas novas a aprender, mudanças sociais e tecnológicas em curso, certa inquietação social em pauta, e assim por diante… Novos tempos! Aliás, como já tive oportunidade de citar, “novas tecnologias, novos tipos de sociedade”! E não podemos fugir disto tudo – é o nosso ambiente atual!

E não podemos nos esquivar de certo desgaste, decorrente do fato de que nós, seres humanos, somos um pouco resistentes à mudança. Não é verdade? Muito trabalho, muitas mudanças, muitas dúvidas, muitas inquietações – o futuro não está tão claro quanto era antes, alguns anos atrás. 

E isto me traz à mente, nesta conversa na qual tenho colocado alguns pontos importantes a considerar para nossa melhor “sobrevivência” no presente/futuro: o primeiro destes pontos é a famosa citação que faz parte da Sátira X do poeta romano Juvenal, escrita séculos atrás: mens sana in corpore sanouma mente sã em um corpo são; o segundo: sempre reparei que em artigos científicos publicados em revistas científicas estrangeiras, na descrição do autor, após a enumeração de seus títulos e conquistas científicas e tecnológicas, sempre é descrito o “hobby” que ele pratica, sua convivência familiar, etc. Que interessante – parece concordar com a afirmativa do Juvenal, em sua “Sátira”…!

É, meu amigo, minha amiga: é preciso conservar a mente atenta e afiada, mas baseada em uma saúde física bem cuidada. Aí estaremos bem preparados para os “trancos” que as mudanças nos trazem… E daí, seria bom refletir um pouco sobre isto…

Pois é, então… Temos nos preocupado em manter o nosso bem estar físico? Temos que nos lembrar de que nossa mente é apenas umas das partes que integram o nosso organismo, e que ele, no todo, tem que ser bem cuidado…

Também temos nos preocupado em ter horas de sono suficientes e repousantes? Sem sono, a nossa mente não se recupera e se desgasta bem mais rapidamente… E aí, corremos o risco de diminuir nossa capacidade criativa, e também de cometer mais erros. É necessário desenvolver um planejamento de atividades, que integrem produtividade, lazer, descanso…

E nossa alimentação? É adequada, ou partimos para constantemente nos alimentar de “fast-foods”, para ganhar tempo? Combustível ruim, baixo rendimento e possíveis defeitos… E exercícios físicos? Temos praticado? É preciso manter a “máquina“ funcionando bem, em sua totalidade…

Temos também tentado desenvolver nossa resiliência, ou seja, a nossa capacidade de suportar e “dar a volta por cima” dos contratempos que seguramente vamos ter? Lembrem-se de que estamos vivendo em tempos voláteis, em que tudo muda muito rapidamente – não é um ambiente que possa ser chamado de calmo…

E caso você tenha uma empresa, ou esteja no ambiente corporativo, já sabe que estará sempre submetido a um alto grau de pressão – é ou não é? Você está preparado para sempre manter a calma para viver bem neste ambiente? 

Você já pratica algum tipo de “hobby”, principalmente algum que faça você fazer parte de um grupo de aficionados do mesmo? Se não, escolha algo de que goste, e comece… Você vai ver como faz bem!

É preciso pensar bem nisto tudo que foi proposto, e trabalhar nestes aspectos com a mesma ênfase com que você faz seu trabalho… Lembre-se: a “Síndrome de Burnout”, caracterizada por uma sensação constante de “estar-se acabado”, já é considerada oficialmente moléstia profissional, e já atinge 30% de profissionais brasileiros – não caia nesta: é de difícil recuperação, e pode deixar sequelas.

Enfim, lembre-se e pratique constantemente o que nosso amigo Juvenal escreveu (e deve ter praticado…), há séculos e séculos atrás: “mens sana in corpore sano”! Vai gostar e, de quebra, aumentar sua produtividade!

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário.

Compartilhe:
Publicação anteriorRealidade virtual pode ajudar a aliviar a dor intensa em pacientes
Próxima publicaçãoEngenheiros da Harvard criam bermuda robótica que ajuda andar e correr
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.