Pois é… Nesta época, e cada vez mais para o futuro, nos será exigido, como engenheiros, soluções criativas para os novos problemas que nos serão apresentados. Aí, seguramente teremos dúvidas, e então teremos que proceder a muito estudo, leituras, congressos, reuniões, etc. Aliás, como sempre fizemos, dada a rápida atualização tecnológica que sempre precisamos fazer. Não é verdade?

Mas temos um companheiro, dentro de nós, que não dorme, não se cansa, e que trabalha principalmente durante a noite, enquanto estamos dormindo: é o nosso subconsciente! Apenas, para ativá-lo, temos que nos lembrar dele e estabelecer um contato mais eficiente. É possível? Seguramente é…

O subconsciente, às vezes também denominado inconsciente, resumidamente, é o conteúdo de nossa mente que não é diretamente acessível por nós, que sempre estamos operando no estado de consciência.

Segundo o neurocientista David Eagleman, “quanto mais nós sondamos e pesquisamos o funcionamento do cérebro, mais percebemos que nossas mentes conscientes são realmente apenas um resumo do que nossos cérebros alcançam o tempo todo – sem que nós façamos a menor ideia do que está acontecendo”. E continua ele: “Sendo sincero, o consciente, que é a parte que pisca para a vida quando você acorda de manhã, é um pouco menor do que o que realmente está acontecendo na sua cabeça o tempo inteiro”.

Mas é aí que você descobre o poder do subconsciente: já percebeu que quando você acorda pela manhã e verifica que veio à sua mente uma criativa e interessante solução de um problema que lhe estava preocupando? Ou que sonhou com esta solução e não recorda do que sonhou, e a solução se perde? É que o subconsciente, que sempre armazena e processa todas as informações que recebemos pelos nossos sentidos, trabalha também enquanto dormimos, processando essas informações e trabalhando com elas; e ele às vezes permite que você tenha um vislumbre de suas “elocrubações” que, como contém todo seu repertório mental, podem ser geniais… Que bom! Não é à toa que grandes pensadores sempre dormem com qualquer tipo de material de escrita ao lado da cama, para anotar o que lhes pode ter vindo à mente durante seu período de repouso – e mais, como o subconsciente também pode “dar sinais” durante o lazer, procuram sempre estar atentos a isto, enquanto praticam um hobby, fazem qualquer trabalho manual, contemplam a natureza, etc.

Daí, quem já acorda “grudado” ao celular, ou apavorado com a lista de coisas a fazer, ou mesmo sufocado durante o dia, sem se dar um momento de repouso mental, sufoca este grande companheiro criativo… Coitados!

Um depoimento a respeito: em uma conversa com um grande publicitário, cujo trabalho exigia naturalmente grandes doses de criatividade, todos os dias, ele me falou que considerava que uma das melhores coisas disponíveis em um celular era o bloco de “notas”… Isto porque quase sempre que ele se achava ocioso e em situação de bem estar, como, por exemplo, em um jantar com sua esposa em um bom e calmo restaurante, de repente lhe vinham ideias muito boas, que anotava imediatamente nas “notas”… Achei interessante porque ele também me falou que antes tinha as ideias, mas que as anotava em guardanapos… Seguramente ele praticava costumeiramente este diálogo com seu subconsciente, e os dois se davam bem.

Vamos voltar a conversar sobre este nosso companheiro do dia a dia, e que está dentro de nós? Até o próximo “Engenharia em Pauta”…

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Compartilhe:
Publicação anteriorChina anuncia missão robótica a Marte já no próximo ano
Próxima publicaçãoMySpace perdeu todo o conteúdo carregado antes de 2016
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.