“Oferecendo oportunidades de aprendizagem através da tecnologia…

A juventude moderna é muito antenada e esperta… Com grande rapidez ela consegue perceber novidades, principalmente tecnológicas, e corre para ver como aprendê-las e utilizá-las (o que faz com grande facilidade…), tendo nisto grande prazer.

Nas instituições de ensino, esta característica, que geralmente é vista como um grande problema, na realidade pode oferecer grandes oportunidades de aprendizagem.

Por exemplo, a proposição de pequenos projetos, em aula, mas que ofereçam a chance de escolha de temas pelos próprios alunos, pode ser uma ideia para aproveitar esta oportunidade de aprendizagem – e os seus celulares, etc. poderão ser utilizados para auxiliar na solução mais rápida destes projetos…

Pequenos desafios de soluções inovadoras, dentro das áreas cobertas pelas disciplinas, também são ótimas alternativas, ainda mais se conduzirem à utilização inteligente de toda a parafernália tecnológica disponível.

Mesmo nas aulas podem ser utilizadas as modernas técnicas de comunicação que a juventude curte. Podem ser propostos desafios, debates, fóruns, e mesmo jogos e simulações, via internet, mesmo durante a aula – por exemplo, o professor pode propor um problema que durante sua resolução pode ser discutido pelos alunos, através de seus aparelhos…

Questionamentos podem ser mandados anonimamente para projeção em tela, e gerar um debate mediado pelo professor… Enfim, a criatividade do professor, aliada à dos alunos, pode criar modelos altamente eficientes em aprendizagem…

 

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.
Compartilhe:
Publicação anterior“E por falar em participação no mundo…”
Próxima publicação“Posso errar?”
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.