É, cara leitora, caro leitor, nesta jornada que estamos fazendo aqui no “Engenharia em Pauta” sobre planejamento de vida e carreira, elemento altamente conveniente para que se logre sucesso, tanto pessoal quanto profissional, já passamos por duas etapas que nos fizeram refletir sobre nós mesmos – o autoconhecimento.

Realizado este “exercício”, que não é fácil, podemos passar para etapas posteriores, começando com:

Etapa 3 – Concepção da vida, da carreira

Em primeiro lugar, creio que você vai concordar comigo quando afirmo que trabalhar com o que se gosta, com o que se tem de habilidades e talentos, é ter um “hobby” remunerado. Você deve conhecer pessoas assim – eu conheço, particularmente na área de ensino. E que bom que isso aconteça, nesta e nas demais áreas das atividades humanas… Não é o que grandes homens e mulheres fizeram, e muitas vezes mudaram suas sociedades, e até mesmo o mundo? Aliás, isto pode até restabelecer a nossa “autonomia produtiva”, protegendo a nossa liberdade individual, assim constituindo uma atenuante para o caráter exclusivamente “laboral” e sufocante da sociedade atual. Estas pessoas trabalham com o que gostam, dentro de suas vocações e tendências, produzem bens (tangíveis e intangíveis…), pensam, são criativas, participam ativamente da sociedade, e, particularmente, são felizes e sempre estão buscando melhorar…

Então aí vai mais um pequeno, mas profundo, exercício, que você bem poderia registrar no documento no qual você está fazendo seu planejamento:

  • O que me traz felicidade, quando penso no assunto ou realizo algo na área? 
  • O que me traz emoção, realmente me “apaixona”? 
  • O que me realizaria como pessoa e profissional?

As respostas a estas questões estão “batendo bem” com os exercícios anteriores, os de autoconhecimento? Estão concordando com o que você já refletiu sobre si mesmo? Ótimo! Se não, volte e reflita mais um pouco – o melhor é que haja a maior coerência entre você e sua carreira, pois é nela que você vai passar boa parte da vida… E é possível, mesmo na carreira atual, fazer algumas modificações para que tudo se encaixe…

Uma pequena história que aconteceu comigo, há alguns anos atrás, e que ilustra esta última afirmativa minha: uma vez, fui procurado por um aluno, às vésperas de sua formatura. Embora contente, ele me relatou que tinha feito o curso no qual estava se formando, de engenharia, para atender ao desejo de seus pais, e assim, tudo bem para ele. Mas o que ele desejava era mesmo trabalhar como diplomata, pois gostava de desafios, de falar outras línguas, de viajar, etc. O que eu achava? Depois de uma boa conversa, chegamos à conclusão de que, sendo engenharia uma profissão que dá margens a várias modalidades de atuação, ele deveria encaminhar-se para a área de vendas técnicas, se possível em uma grande empresa. Assim, ele teria que ser um engenheiro “diplomata”, utilizando os conhecimentos que já detinha para praticar o que achava que era sua vocação… O mesmo poderia ocorrer na área de gerência avançada, na qual ele, com mais alguns complementos e dedicação, poderia chegar. 

É isso aí… Temos que procurar o que “bate” conosco, e ir atrás… Então, vamos continuar esta conversa na semana que vem?

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.