“Terrível: isto não é de minha área…”.

Atualmente, “a cada segundo nosso sistema nervoso é bombardeado por cerca de 100.000 bits de informação” (1). Daí, ele se protege, aproveitando o que é necessário e suficiente para o seu “funcionamento” nas nossas áreas de interesse. Então, já pensaram na origem da especialização? E é por aí que ela se mostra necessária… Legal! Não “fundimos a cuca”!

No entanto, com este grau de especialização, há o perigo de que cada vez mais saibamos mais sobre cada vez menos! Tal fato pode atrapalhar o pensamento criativo, pois pode nos impedir de ver novas possibilidades de solução de problemas. Já perceberam o tão famoso (e problemático…) comentário “isto não é de minha área”? O que pode estar ocorrendo é que a pessoa está pensando na solução de uma determinada situação apenas utilizando sua área de conhecimento – e não se esforça para “pensar adiante”… Grande problema, para ela e para os outros!

professor mario augusto de souza nunes

Uma possibilidade de minimizar este problema é procurar analogias em situações parecidas, ficando atento a elas, e copiar boas soluções em outras áreas de conhecimento. A natureza, por exemplo, sempre foi um modelo para nós: o que é uma ponte senão uma solução otimizada proveniente da ideia de uma árvore caída sobre um rio? Aliás, este modo de “copiar ideias” é uma excelente técnica de gerar inovações, que será explorada mais adiante.

Boa “caçada” de ideias que resolvam seus problemas, a partir de soluções para problemas análogos, mas provenientes de outras áreas de conhecimento!

Referência:

(1) von oech, roger – Um “toc” na Cuca – técnicas para quem quer ter mais criatividade na vida. Cultura Ed. Associados, São Paulo, 13ª ed. – 1997.

Compartilhe:
Publicação anterior10 coisas que a Samsung fabrica e você não sabia
Próxima publicaçãoSaiba quanto vai custar o Moto G 2015 no Brasil
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.