Um pequeno parêntese no Open Innovation: o que é um “Maker Place”?”

Também chamado de “makerspace”, é um local físico apropriado (uma sala, uma oficina, etc.) para que os “makers”, pessoas que desejam prototipar algo, mesmo que sem utilidade aparente, possam fazê-lo, através da utilização de ferramentas apropriadas e eventual mentoria.

Os “makers” são “fuçadores”, não obrigatoriamente desejam criar algo rentável, mas sim algo que os divirta, e que permita dar escoamento à sua criatividade. O importante é que lá seja praticado o “Pensamento Divergente”, aquele que não está interessado na resposta certa, mas sim aquele que leva à utilização cada vez maior da criatividade e da aprendizagem, já que esta é maximizada pela prática, pelo “fazer”…

Quebra-se assim um paradigma muito inculcado pelo sistema educacional em geral, que é o do “Pensamento Convergente”, focado exclusivamente nos caminhos únicos, muito na metodologia expositiva, e na busca da única resposta certa…

professo mario augusto

A localização de um “Maker Place” deve possibilitar fácil acesso e grande visibilidade do mesmo. Por exemplo, deve estar em local de grande circulação de pessoas, para que seja bem visto e estimule a criatividade em geral; seu ambiente deve ser despojado e possibilitar a manifestação da criatividade, da liberdade de pensamento e criação.

Pode também ser um espaço para a proposição e condução de eventos que

estimulem a criatividade, como debates, desafios criativos, etc.

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

 

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.
Compartilhe:
Publicação anteriorConheça o FLNG Prelude, o gigantesco navio da Shell que vai revolucionar a exploração de gás no mar
Próxima publicaçãoConheça o cofre que guarda sementes para as gerações futuras
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.