Em nossa escola, operando da forma que foi descrita até agora, evidentemente corremos riscos… Procuramos prevê-los e mensurá-los. É evidente. Mas nunca isto nos impedirá de tentar inovar, e tal conceito é válido tanto para a administração, quanto para os professores e alunos – para nós, tentar sempre inovar e criar o novo é um importante conceito administrativo e educacional!

Assim, erros e problemas são permitidos, desde que não sejam causados por omissão. Se erros ocorrerem, o que será quase certo que acontecerá, vamos removendo-os gradativa e criativamente, utilizando-s sempre como “plataformas de aprendizado”.

Ou seja, caso a ação não corresponda ou atinja o objetivo desejado, procede-se a uma investigação da mesma, de forma a examinar com mais detalhes o que ocorreu, na busca de identificar as lições a aprender com a experiência. Desta forma, nada é perdido com o eventual erro.

Trata-se então de aceitar, entender, estudar, e aprender com o interessante conceito que pode ser denominado de “erro honesto” – errar na tentativa de acertar…

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Quer ficar por dentro do assunto Smart City, o mais falado no Brasil e no mundo? Deixe seu e-mail e receba em primeira mão! clicando aqui.
Compartilhe:
Publicação anteriorMáquinas que trocam recicláveis por desconto são instaladas no Carrefour
Próxima publicaçãoEngenheiros criam laser que pode cozinhar bacon
É graduado em Engenharia Elétrica (Instituto Nacional de Telecomunicações – INATEL), e pós-graduado em Docência do Ensino Superior em Educação. Foi professor, desde 1964, em diversos cursos técnicos, de engenharia, e de extensão, em diversas áreas técnicas, bem como em empreendedorismo e inovação. Também criou e coordenou diversas atividades ligadas ao desenvolvimento do empreendedorismo, no Inatel. Atualmente participa de programas de extensão e pesquisa ligados ao empreendedorismo, criatividade e inovação.