Tudo sobre o curso de Engenharia de Petróleo

É a engenharia responsável pelas técnicas usadas para a descoberta de poços e jazidas, neste caso para a exploração, produção e comercialização de petróleo e gás natural.

O engenheiro de petróleo tem como campo de atividade refinarias, plataformas marítimas e petroquímicas. Assim parte a responsabilidade desse profissional em desenvolver projetos que visem à exploração e à produção desses bens (petróleo e gás) sem prejuízo ao meio ambiente nem desperdício de material.

Além disso, cuida do transporte do petróleo e seus derivados, desde o local da exploração até a chegada à refinaria. Esse especialista também pode atuar em consultorias ambientais e no setor de importação e exportação, fazendo pesquisas de preços de matérias-primas ou até mesmo na captura de compradores.

É requisito da profissão conhecer a legislação internacional que regula as atividades ligadas ao petróleo e seus derivados e, como a maior parte das empresas do setor é estrangeira, é necessário ter fluência em inglês.

Graduação:

As aulas do curso de engenharia de petróleo no inicio são de física, química, geologia, geometria, álgebra, lógica, estatística, mecânica e fenômenos de transporte. A partir do terceiro ano, entram matérias mais específicas, como fontes alternativas de energia, prospecção de petróleo, técnicas de exploração e refino do petróleo, matérias na indústria do petróleo, engenharia de reservatório, métodos de elevação, ciências dos materiais, entre outras.

Na grade curricular também há disciplinas ligadas à administração, envolvendo também marketing, empreendedorismo, gestão ambiental e direito internacional. Em algumas instituições o curso é possui uma habilitação de engenharia de Minas.

Possíveis especializações:

O engenheiro de petróleo pode se especializar nas mais diversas áreas, como, por exemplo, comercialização, consultoria, desenvolvimento de equipamentos, exploração e petróleo e derivados, procura de reservatórios,  transporte e distribuição, entre outras.

Mercado de trabalho:

A exploração do pré-sal vai demandar mais de 300 mil novos profissionais até 2016 – entre eles, engenheiros de petróleo. Trata-se de um mercado extremamente aquecido, com investimentos bilionários, que precisa de quem entenda dessa tecnologia específica.

Além de atuar na exploração, o profissional é contratado para trabalhar em perfuração, transporte, instalação de sistemas submarinos, de gasodutos e no desenvolvimento de projetos. Órgãos de fiscalização têm os melhores salários do setor. O Rio de Janeiro concentra 80% da produção do petróleo nacional e, por isso, apresenta as melhores oportunidades.

Fonte da imagem shutterstock