A SpaceShipTwo da Virgin Galactic usa um tipo de borracha sintética como combustível e a queima em óxido nitroso, um poderoso gás de efeito estufa.

Depois de anos de espera, a jornada de Richard Branson ao espaço neste mês em um navio da Virgin Galactic era para ser um retorno triunfante. Em vez disso, a excursão atraiu críticas significativas – sobre sua pegada de carbono.

Com Jeff Bezos definido para lançar um foguete Blue Origin em 20 de julho, e a SpaceX de Elon Musk planejando uma missão orbital totalmente civil em setembro, a nascente indústria do turismo espacial enfrenta questões difíceis sobre seu impacto ambiental.

No momento, os lançamentos de foguetes como um todo não acontecem com frequência suficiente para poluir significativamente.

“As emissões de dióxido de carbono são totalmente insignificantes em comparação com outras atividades humanas ou mesmo com a aviação comercial”, disse à AFP o assessor climático-chefe da NASA, Gavin Schmidt.

Mas alguns cientistas estão preocupados com o potencial de danos a longo prazo, já que a indústria está pronta para um grande crescimento, particularmente os impactos sobre a camada de ozônio na ainda pouco conhecida atmosfera superior.

A Virgin Galactic, que foi criticada em artigos na CNN e Forbes, bem como nas redes sociais, por enviar seu bilionário fundador ao espaço por alguns minutos em uma nave que consome combustível fóssil, diz que suas emissões de carbono são quase equivalentes a uma passagem em classe executiva de Londres a Nova York.

A empresa “já tomou medidas para compensar as emissões de carbono de seus voos de teste e está examinando oportunidades para compensar as emissões de carbono para voos de clientes futuros e reduzir a pegada de carbono de nossa cadeia de abastecimento”, disse a empresa em um comunicado à AFP.

Mas, embora os voos transatlânticos transportem centenas de pessoas, as emissões da Virgin chegam a cerca de 4,5 toneladas por passageiro em um voo de seis passageiros, de acordo com uma análise publicada pelo astrofísico francês Roland Lehoucq e colegas em The Conversation.

Isso é aproximadamente equivalente a dirigir um carro típico ao redor da Terra e mais do que o dobro do orçamento anual de carbono recomendado para atender aos objetivos do acordo climático de Paris.

“A questão aqui é realmente de impactos desproporcionais”, disse Darin Toohey, um cientista atmosférico da Universidade do Colorado, Boulder, à AFP.

“Na verdade, cresci no programa espacial e isso me levou à ciência … mas se alguém me oferecesse uma carona, eu ficaria muito nervoso se aceitasse, porque saberia que minha própria pegada é muito maior do que deveria ser,” ele disse.

Combustíveis mais limpos possíveis

A SpaceShipTwo da Virgin Galactic usa um tipo de borracha sintética como combustível e a queima em óxido nitroso, um poderoso gás de efeito estufa.

O combustível bombeia carbono para a alta estratosfera, com 30-50 quilômetros de altura.

Uma vez lá, essas partículas podem ter impactos múltiplos, desde refletir a luz do sol e causar um efeito nuclear de inverno, até acelerar reações químicas que destroem a camada de ozônio, que é vital para proteger as pessoas de radiações nocivas.

“Podemos estar em um ponto perigoso”, disse Toohey, que deseja mais investigações científicas sobre esses efeitos antes que os lançamentos se tornem mais frequentes.

A Virgin disse que deseja realizar 400 voos por ano.

Comparados aos aviões espaciais SpaceShipTwo da Virgin Galactic, os da Blue Origin são muito mais limpos, de acordo com um artigo recente do cientista Martin Ross, da Aerospace, que a empresa de Bezos plugou no Twitter.

Isso porque ele queima hidrogênio líquido e oxigênio líquido, que entra em combustão como vapor d’água.

O estudo de Ross descobriu que o foguete reutilizável de lançamento vertical da Blue Origin causa cem vezes menos perda de ozônio e 750 vezes menos magnitude de força climática do que o da Virgin, de acordo com cálculos aproximados.

Mas isso não significa que esteja totalmente limpo.

“É necessária eletricidade para produzir oxigênio líquido e hidrogênio líquido”, disse Ross à AFP.

“Você poderia voltar e calcular quanta eletricidade foi usada para fazer o propelente”, disse ele. “Depende de quão longe você está na cadeia de abastecimento.”

O impacto de lançamentos suborbitais como os da Virgin e Blue Origin é pequeno em comparação com o impacto de foguetes que alcançam a órbita.

Quando a SpaceX colocar quatro cidadãos privados no espaço em setembro, ela usará seu foguete Falcon 9, que, segundo os cálculos, produz o equivalente a 395 voos transatlânticos de emissões de carbono.

“Estamos vivendo na era das mudanças climáticas e iniciar uma atividade que aumenta as emissões como parte de uma atividade turística não é um bom momento”, disse à AFP Annette Toivonen, autora do livro “Turismo Espacial Sustentável”.

O mundo está muito mais ciente da crise climática agora do que quando essas empresas foram fundadas no início dos anos 2000 e isso poderia encorajar as empresas a buscar formas de minimizar a poluição por meio de tecnologias mais limpas para superar o problema.

“Quem gostaria de ser um turista espacial se você não pode dizer às pessoas que você é um turista espacial?” argumentou Toivonen, que leciona na Universidade de Ciências Aplicadas Haaga-Helia da Finlândia.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! 🙂

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.