Quando se trata de captura e armazenamento de carbono, os pesquisadores têm se tornado criativos, transformando o dióxido de carbono em tudo, de CO ao ácido oxálico, para o processamento de elementos da terra, por exemplo. Agora, parece que eles estão voltando à sua origem, transformando-o em carvão sólido.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

De volta às partículas de carbono

Pela primeira vez na história, uma equipe de pesquisa liderada pela RMIT University, em Melbourne, na Austrália, desenvolveu uma nova técnica que pode converter o CO2 de volta em partículas de carbono, diminuindo a poluição, removendo os gases do efeito estufa de nosso ambiente.

A solução oferece uma abordagem mais viável do que muitos dos sistemas atuais de captura e armazenamento de carbono que comprimem o CO2 em uma forma líquida com o objetivo de injetá-lo no subsolo. Essas abordagens têm muitas questões técnicas e de segurança e também são muito caras.

Embora não possamos literalmente voltar no tempo, transformar o dióxido de carbono de volta em carvão e enterrá-lo de volta no solo é como rebobinar o relógio de emissões “, disse Torben Daeneke, pesquisador da RMIT e membro do Conselho de Pesquisa da Austrália.

“Até o momento, o CO2 só foi convertido em sólido a temperaturas extremamente altas, tornando-o industrialmente inviável.”

A nova técnica é eletroquímica. Consiste em um catalisador de metal líquido especialmente projetado que vê o dióxido de carbono do gás convertido lentamente em flocos sólidos de carbono.

“Ao usar metais líquidos como catalisadores, mostramos que é possível transformar o gás novamente em carbono à temperatura ambiente, em um processo que é eficiente e escalável”, disse Daeneke.

“Embora mais pesquisas precisam ser feitas, é um primeiro passo crucial para a entrega de armazenamento sólido de carbono”.

Imagem: RMIT

Melhor ainda, os pesquisadores dizem que o carbono produzido também pode ser usado como um eletrodo.

“Um benefício colateral do processo é que o carbono pode conter uma carga elétrica, tornando-se um supercapacitor, por isso potencialmente poderia ser usado como um componente em futuros veículos”, disse o principal autor, Dr. Dorna Esrafilzadeh, pesquisador do vice-chanceler. na Escola de Engenharia da RMIT.

“O processo também produz combustível sintético como subproduto, que também pode ter aplicações industriais”.

O estudo foi publicado na revista Nature Communications.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here