Aqui está um enigma.
Pergunta: Quando uma empresa de aviação comercial não é uma empresa de aviação comercial?
Resposta: Quando é a canadense Bombardier Inc.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

Em junho passado e uma semana depois da bienal International Paris Air Show, a canadense Bombardier anunciou que estava vendendo seu negócio de jatos regionais para a fabricante japonesa Mitsubishi Heavy Industries por US$ 550 milhões. Este desinvestimento marcou o último de uma longa série de aquisições e investimentos que foi a Bombardier.

Nascido da tragédia

A Bombardier nasceu da tragédia quando, em janeiro de 1934, a neve profunda impediu que o mecânico Joseph-Armand Bombardier levasse seu filho de dois anos para o hospital a tempo de salvar sua vida. Em sua oficina em Valcourt, Quebec, a Bombardier começou a projetar e construir um veículo que pudesse “flutuar na neve” e criou o primeiro snowmobile do mundo.

Em 1937, os “snow coaches” de 7 passageiros da Bombardier levavam as crianças para a escola, carregando mercadorias, entregando correspondência e servindo como ambulância.

Bombardier Snow Coach Fonte: Pjt56 / Wikimedia Commons

Em 1957, a Bombardier criou o “Ski-Dog”, que deveria substituir um trenó de cães. Quando um erro foi cometido em sua pintura, o “Ski-Doo” foi criado.

Em 1964, Joseph-Armand Bombardier morreu inesperadamente, e em 1968, o inventor do jet ski, Clayton Jacobson II, licenciou sua patente para a Bombardier para a criação do jet ski “Sea-Doo”.

As aquisições começam

Em 1986, a Bombardier adquiriu a Canadair por 120 milhões de dólares e, em 1989, adquiriu a empresa de fabricação de aviões Short Brothers em Belfast, na Irlanda do Norte.

Bombardier Dash 8 Q400 Fonte: Adrian Pingstone / Wikimedia Commons

Isso foi seguido um ano depois com a aquisição da falida empresa americana Learjet, que fabricava jatos executivos em Wichita, Kansas. Em 1992, a Bombardier adquiriu a subsidiária da Boeing, Havilland Aircraft, do Canadá.

Em 2008, a Bombardier produzia as populares linhas Dash 8 Series 400, CRJ100/200/440 e CRJ700/900/1000, mas a demanda estava caindo. A empresa começou a dedicar a maior parte de seu orçamento de Pesquisa e Desenvolvimento de aeronaves comerciais às suas novas CSeries.

Bombardier CRJ-200 Fonte: Adrian Pingstone / Wikimedia Commons

O CSeries tinha como objetivo competir com o Airbus A318 e A319, o Boeing 737-600 e 700, e o Embraer 195. A Bombardier alegou que o CSeries queimaria 20% menos combustível por viagem do que seus concorrentes.

À medida que o desenvolvimento do programa CSeries se arrastava e continuava, a sorte da Bombardier caiu. No final de 2015, a dívida da empresa havia atingido aproximadamente US$ 9 bilhões e suas ações caíram 17,4%.

Em 18 de dezembro de 2015, a versão CS100 de 110 – 125 assentos da CSeries recebeu sua certificação da categoria da Transport Canada, mas o longo e caro processo de desenvolvimento custou US$ 5,4 bilhões, incluindo uma baixa de US$ 3,2 bilhões.

A guerra com o Boeing começa

Em abril de 2016, a Delta Air Lines, que é conhecida como um astuto comprador de aviões, fez um pedido para 75 modelos da série CS100, com uma opção para 50 aeronaves adicionais. Em junho de 2016, a Air Canada também fez um pedido para 45 CS300s com uma opção para outros 30. No dia seguinte, a Bombardier entregou a primeira aeronave CSeries à Swiss International Air Lines, que foi a primeira a começar a voar nos aviões.

Em 26 de setembro de 2017, a The Boeing Company reclamou à US International Trade Commission (USITC) que a Bombardier estava vendendo o CS100 para a Delta Air Lines abaixo do custo devido a um subsídio do governo do Canadá. O Departamento de Comércio dos EUA emitiu uma enorme tarifa de 292% sobre a aeronave.

Em retaliação, os governos do Canadá e do Reino Unido ameaçaram parar de encomendar aeronaves da Boeing. Em janeiro de 2018, a Comissão de Comércio Internacional dos EUA anulou as tarifas e a Boeing não recorreu dessa decisão.

Os desinvestimentos começam

Em outubro de 2017, a Bombardier e a Airbus anunciaram uma parceria no programa CSeries. Em julho de 2018, a Airbus adquiriu uma participação majoritária de 50,01%, com o CSeries agora sendo comercializado pela Airbus como o Airbus A220. O avião ainda está sendo fabricado em Québec, com uma segunda linha de montagem na fábrica da Airbus Mobile no Alabama.

Airbus A220 Fonte: Romain Coupy / Wikimedia Commons

Em novembro de 2018, a Bombardier vendeu seu programa Dash 8 e a marca de Havilland para a controladora da Viking Air, Longview Aviation Capital Corp. A Bombardier também vendeu seu programa de treinamento de jatos executivos para a CAE Inc.

Em junho de 2019, com o Q400 e o CSeries praticamente desaparecidos, tudo o que restava da aviação comercial da Bombardier era o programa CRJ. Foi esse programa que foi vendido para a Mitsubishi em 25 de junho de 2019. Os aviões da CRJ serão lotados no que era anteriormente o programa Mitsubishi Regional Jet (MRJ), que agora foi renomeado como SPACEJET.

Mitsubishi SPCEJET Fonte: Marcia Wendorf

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.