A Associação de Pilotos da Southwest Airlines (SWAPA) entrou com uma ação contra a Boeing em US$ 100 milhões, argumentando que a espera da liberação do 737 MAX fez com que os sindicatos perdessem dinheiro com a eliminação de 30.000 vôos programados.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

O processo, que o sindicato anunciou em um comunicado à imprensa, afirma que a Boeing “deliberadamente” engana a companhia aérea e seus pilotos sobre o 737 MAX. A Boeing afirmou que a aeronave era “aeronavegável” e a mesma que os 737 pilotos voaram por anos, mas essa representação era falsa, escreveu a SWAPA. Ele afirmou que os erros com o 737 MAX causaram a morte de 346 pessoas, prejudicaram o vínculo entre passageiros e pilotos e reduziram as viagens aéreas ao redor do mundo.

Associação de Pilotos da Southwest Airlines diz que os pilotos foram enganados pela Boeing

Na denúncia, apresentada no condado de Dallas, no Texas, o sindicato disse que a Boeing tomou uma decisão “calculada” de “transportar” a aeronave para o mercado e, ao fazê-lo, ignorou as práticas de projeto e engenharia. O processo argumenta que as alegações da Boeing fizeram com que o sindicato acreditasse que o 737 MAX era seguro e, como resultado, os pilotos concordaram em pilotar a aeronave para a Southwest Airlines.

“Como pilotos, não há nada mais importante para nós do que a segurança de nossos passageiros”, disse o capitão Jonathan L. Weaks, presidente da SWAPA, em comunicado à imprensa anunciando o processo. “Temos que confiar na Boeing para divulgar com sinceridade as informações necessárias para operar com segurança nossas aeronaves. No caso do 737 MAX, isso absolutamente não aconteceu.”

A SWAPA também disse que, se o sindicato soubesse a verdade sobre o 737 MAX em 2016, não teria concordado em pilotá-lo e teria exigido que a Boeing consertasse as falhas da aeronave que levou aos acidentes do voo 610 da Lion Air e do voo 302 da Ethiopian Airlines.

União quer US$ 100 milhões da Boeing

“A Boeing é responsável perante a SWAPA pelos danos que ela e seus pilotos sofreram e continuam a sustentar como resultado de: falsas representações da Boeing em relação à aeronave 737 MAX; interferência da Boeing no contrato e na relação comercial da SWAPA com a Southwest que levaram à concordância da SWAPA incluir a aeronave 737 MAX como um termo da CBA e operar a aeronave; e a negligência da Boeing em autocertificar uma aeronave que a Boeing sabia que estaria sujeita a uma ordem de parada se a verdade fosse descoberta porque não se encontrava – e, até hoje, não atende aos requisitos federais de aeronavegabilidade”, afirma o processo.

Segundo o SWAPA, a parada do 737 MAX deverá reduzir o serviço de passageiros para a companhia aérea em 8% até o final deste ano, o que resultará em perdas de compensação para pilotos em mais de US$ 100 milhões. O sindicato observou que a Southwest é a maior operadora do 737 MAX, que não deve voltar a operar até o início do próximo ano.

“É essencial que a Boeing leve o tempo necessário para retornar com segurança o MAX para serviço”, Disse o capitão Weaks. “Não se espera que nossos pilotos sofram uma perda financeira significativa e em constante expansão como resultado de negligência da Boeing. Esperamos ansiosamente por uma solução que ajude a Boeing a restaurar a confiança de ambos os público e os pilotos que operam suas aeronaves.” Finalizou Weaks.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentário.

Deixe um comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here