Songdo, na Coreia do Sul

No inicio da década de 90, o conceito de cidades inteligentes era mais uma discussão acadêmica do que uma prática do dia-a-dia. Porém, atualmente essa realidade mudou com o avanço da tecnologia e a necessidade de repensar o uso dos espaços urbanos respeitando a sustentabilidade.

Já existem iniciativas pelo mundo que são bons exemplos de cidades inteligentes, vamos listar 3 delas:

Songdo, Coreia do Sul

Songdo é um exemplo de aerotrópole, expressão usada pelos projetistas para designar as cidades planejadas que crescem em torno de um aeroporto. O projeto de criação começou nos anos 2000 e acelerou a partir de 2009, quando um programa de estímulos a investimentos foi lançado pelo governo daquela região.

Para a execução, foram consideradas várias opções de mobilidade e a disseminação de espaços verdes. Sensores subterrâneos que detectam as condições de tráfego e reprogramam os semáforos sempre que for necessário. Um lago e um canal abastecidos com água do mar mantêm a umidade sem sacrificar a água potável e também são usados como via de transporte para táxis aquáticos.

Copenhague, Dinamarca

A capital dinamarquesa é bicampeã no ranking de cidades inteligentes da Europa, elaborado pela revista Fast Company, uma das mais respeitadas publicações sobre inovação. Da cidade vem um dos melhores exemplos de redução das emissões de carbono de todo o mundo. Em relação a 2005, quando o conceito de carbono zero passou a fazer parte das ações do governo local, Copenhague reduziu 21% das emissões.

O objetivo é diminuir ainda mais a emissão, como meta 2025, chegando a 1,16 milhão de toneladas per capita anuais. Para atingir a meta, todos os novos edifícios precisam ser construídos de acordo com as regras de sustentabilidade locais.

Copenhague, Dinamarca

Santa Ana, Estados Unidos

A maior parte da água utilizada nas casas dessa cidade sede do condado de Orange, na Califórnia, é tratada para se tornar potável novamente. Até mesmo a água dos vasos sanitários de Santa Ana passa por um processo de limpeza que a torna reutilizável.

O sistema, batizado de micropurificação, funciona assim: com a ajuda de elementos químicos e equipamentos que emitem luz ultravioleta, as partículas de sujeira são isoladas a partir de uma membrana especial até que não reste nada além de água pura. Até mesmo protozoários e bactérias são eliminados depois da execução do processo.

Santa Ana, Estados Unidos

E no Brasil?

Embora as cidades brasileiras não sejam citadas nos principais rankings de metrópoles inteligentes, algumas iniciativas no país vão ao encontro do conceito de smart cities. Os principais exemplos vêm na área de energia. Há pouco tempo, algumas cidades brasileiras começaram a usar a tecnologia de smart grid, que são as redes de distribuição inteligentes de energia elétrica. Esse sistema permite aumentar o controle contra perda de energia no processo de distribuição.

Na região metropolitana de Belo Horizonte, Minas Gerais, por exemplo, a concessionária Cemig monitora mais de 12 000 unidades consumidoras com um sistema que faz a medição e o faturamento da energia de forma digitalizada.

Conheça a Smart City Laguna, a 1ª Cidade Inteligente SOCIAL do Mundo: www.smartcitylaguna.com.br

Facebook da Smart City Laguna: fb.com/PlanetSmartCity/

Facebook do Grupo PLANET: fb.com/PlanetSmartCityBR

Instagram: @planetsmartcitybr

Youtube: Planet Smart City BR

Acompanhe a próxima matéria para saber mais sobre uma Cidade Inteligente que está sendo construída aqui no Brasil!

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.