O Boeing 737 Max, que causou o acidente do voo 610 da Lion Air e do voo 302 da Etiópia, matando 346 pessoas, voltará ao ar no início de 2020.

Frete GRÁTIS ilimitado, Filmes, Séries, Músicas e muito mais com Amazon Prime! Teste GRÁTIS por 30 dias aqui.

Em um comunicado à imprensa, a Boeing anunciou que ainda está buscando a certificação FAA das atualizações de software de controle de vôo MAX durante o atual quarto trimestre.

Com base nesse cronograma, a Boeing afirmou que é possível retomar as entregas do MAX aos clientes das companhias aéreas a partir de dezembro. Ao mesmo tempo, está trabalhando na validação final de seus requisitos de treinamento, que foi atualizada após as falhas, e é necessário que o MAX retorne ao serviço comercial.

Boeing diz que sua prioridade é segurança

“A prioridade da Boeing continua sendo o retorno seguro ao serviço do MAX e o suporte aos clientes de companhias aéreas durante esse período desafiador. Estamos trabalhando em estreita colaboração com a FAA e outras autoridades reguladoras enquanto trabalhamos para obter a certificação e o retorno seguro ao serviço comercial, e estamos adotando o tempo para responder a todas as perguntas”, escreveu a Boeing em um comunicado à imprensa.

A empresa disse que precisa cumprir cinco marcos para que a FAA assine seu retorno ao serviço. Eles incluem uma avaliação de simulador eCab de vários dias, uma avaliação de simulador de vários dias separada com pilotos de avião, um teste de voo certificado pela FAA, uma certificação final da Boeing e um Conselho de Avaliação Operacional Conjunto, no qual uma sessão de simulação de vários dias é realizada com pilotos reguladores globais para validar o treinamento.

A Boeing precisa cumprir mais quatro marcos

A Boeing disse que concluiu o primeiro desses marcos e agora está trabalhando na avaliação dos pilotos da linha FAA e no teste de voo de certificação da FAA.

“Em cada etapa desse processo, a Boeing trabalhou em estreita colaboração com a FAA e outros reguladores. Estamos fornecendo documentação detalhada, eles voaram nos simuladores e os ajudamos a entender nossa lógica e o design dos novos procedimentos, software e treinamento proposto. material para garantir que estejam completamente satisfeitos com a segurança do avião”, afirmou a Boeing no comunicado à imprensa. “A FAA e outras autoridades reguladoras determinarão, em última análise, o retorno ao serviço em cada jurisdição relevante. Isso pode incluir uma abordagem em fases e o tempo pode variar de acordo com a jurisdição”.

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.