O Japão pedirá regulamentações mais rígidas sobre “robôs assassinos” durante uma convenção da ONU nesta semana. Tóquio anunciou sua intenção de levantar a questão das regras internacionais sobre armas letais equipadas com inteligência artificial (IA) no início deste mês.

A nação insular está preocupada com a possibilidade de que máquinas autônomas possam iniciar guerras, causar acidentes fatais e ter a decisão final sobre quem pode viver ou morrer, disseram fontes. A Convenção da ONU sobre Certas Armas Convencionais (CCW, Certain Conventional Weapons) está programada de 25 a 29 de março em Genebra.

Japão vai liderar discussão sobre robôs assassinos

O Japão quer assumir uma posição de liderança na discussão em torno da introdução de leis internacionais. Armas com IA incorporada têm o potencial de causar dano ou alvo de forma autônoma sem controle humano. Algumas armas de IA têm a capacidade de decidir matar com base em sua programação.

“Assim como a pólvora e as armas nucleares mudaram a forma como as guerras foram conduzidas no passado, a inteligência artificial poderia alterar fundamentalmente o curso das guerras futuras”, disse o ministro das Relações Exteriores, Taro Kono, em uma sessão da Diet no dia 28 de janeiro.

Vários países, incluindo Rússia, China e Estados Unidos, estão atualmente desenvolvendo “sistemas letais de armas autônomas” (LAWS). Muitos grupos internacionais pediram a proibição total de tais armas. Os oponentes do LAWS dizem que a decisão de tirar uma vida humana não deve ser colocada nas mãos da AI.

O uso de LAWS daria às nações uma vantagem em combate, pois elas poderiam ser implantadas sem qualquer risco para as tropas humanas. Muitas preocupações de que a programação tendenciosa levaria a mortes acidentais.

O Japão indicou que quer que os participantes da convenção discutam como os seres humanos podem manter o controle sobre o uso de LAWS e quais práticas podem ser postas em prática para limitar totalmente o potencial de conflito armado.

Uma coalizão de países latino-americanos tem procurado proibir o LAWS, mas países maiores como os Estados Unidos e a Rússia dizem que tal proibição é muito cedo no ciclo de vida da tecnologia. O próprio Japão não tem planos de produzir LAWS.

“Não pretendemos desenvolver nenhuma arma letal que seja completamente autônoma e funcione sem controle humano”, disse o primeiro-ministro, Shinzo Abe.

Líderes das empresas de tecnologia estão preocupados

O governo japonês confirmou que eles têm planos para pesquisar e desenvolver IA ou equipamentos não tripulados para garantir a segurança e reduzir o peso das Forças de Autodefesa. Não são apenas os estados-nação que estão preocupados com o desenvolvimento de armas de inteligência artificial.

O CEO da SpaceX, Elon Musk, expressou anteriormente sua preocupação com a tecnologia em rápido desenvolvimento. Musk fazia parte do grupo que enviou uma carta aberta à ONU no ano passado, pedindo-lhes que agissem agora sobre a regulamentação da IA ​​antes que fosse tarde demais.

A carta aberta que foi assinada por outras grandes figuras de tecnologia e ciência, como Stephen Hawking. O grupo escreve: “Uma vez desenvolvidas, as armas autônomas letais permitirão que os conflitos armados sejam travados em uma escala maior do que nunca, e em escalas de tempo mais rápidas do que os humanos possam compreender. Estas podem ser armas de terror, terroristas usarem contra populações inocentes e armas hackeadas para se comportarem de maneiras indesejáveis. Nós não temos muito tempo para agir. Uma vez que esta caixa de Pandora é aberta, será difícil fechar.”

Achou útil essa informação? Compartilhe com seus amigos! xD

Deixe-nos a sua opinião aqui nos comentários.